21:26 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    3191
    Nos siga no

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou que a missão russa na Síria opera sob a legalidade da Carta da ONU, diferente da operação da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

    “Gostaria de reiterar que todos os nossos passos na Síria correspondem com a Carta da ONU e o direito internacional, diferente dos nossos colegas da chamada coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, que atuam sem uma resolução do Conselho de Segurança nem um pedido das autoridades sírias”, disse o líder russo. 

    Putin expressou preocupação de que as armas entregues pelos EUA ao Exército Livre Sírio possam acabar nas mãos de terroristas.

    "Acabam de anunciar a entrega de munições e equipamento militar ao Exército Livre Sírio. Onde está o exército?", questionou Putin.

    O presidente russo ainda destacou que a ajuda militar dos Estados Unidos à oposição síria poderia "cair de volta para as mãos do Estado islâmico". 

    Por outro lado, ele falou sobre a necessidade de ampliar os contatos entre a Rússia e os Estados Unidos na Síria para dar início a um processo político. "Infelizmente, embora não seja tão ruim, a cooperação (entre Moscou e Washington) está restrita a instalações militares”, disse ele. “E isso é suficiente”, completou.

    Putin ainda destacou que a Rússia não busca nenhum tipo de liderança na Síria, pois isto diz respeito somente ao povo sírio. “Na Síria pode haver somente um líder e é o povo sírio”, destacou. 

    Mais:

    Israel abre fogo contra a Síria em resposta a fogo perdido
    Moscou mostra satisfação com diálogo com os EUA sobre a questão Síria
    Camisetas com imagens relativas à campanha russa na Síria conquistam mercado
    Turquia disposta a discutir guerra na Síria com Rússia e Irã
    Rússia combate terrorismo não só na Síria
    Tags:
    operação, ONU, Exército da Síria, Estado Islâmico, Vladimir Putin, EUA, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar