00:26 16 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Usina nuclear de Belleville-sur-Loire, na França

    Rússia e China planejam desenvolver mercado global de energia nuclear

    © AP Photo / Francois Mori
    Mundo
    URL curta
    BRICS: organização do futuro (189)
    1131
    Nos siga no

    O vice-primeiro ministro da Rússia, Dmitry Rogozin, disse nesta terça-feira (13) que Moscou e Pequim vão desenvolver a cooperação bilateral no setor de energia nuclear em outros países, segundo informou a Rádio Internacional da China.

    A declaração foi feita durante a segunda Exposição China-Rússia, evento realizado em Harbin, capital da província chinesa de Heilongjian.

    "Não estamos falando apenas de mais interação em território chinês. Nós também planejamos a incursão em mercados de países terceiros, em termos de construção de unidades de energia", disse Rogozin, conforme citado pela rádio.

    De acordo com Rogozin, os dois países já estão elaborando um quadro jurídico adequado para o objetivo comum.

    "Há uma séria compreensão acerca da necessidade de concluir um acordo abrangente sobre a cooperação no setor nuclear, que abrange toda uma série de projetos", acrescentou o vice-premiê.

    No início deste ano, o vice-diretor da Corporação Nacional Nuclear da China, Zhu Jicai, destacou Moscou como parceiro fundamental de Pequim no que diz respeito à utilização pacífica da energia atômica.

    Ele disse ainda que os dois países estão desenvolvendo com êxito vários projetos comuns no setor, citando como exemplo a Usina de Energia Nuclear de Tianwan, situada na província de Jiangsu.

    Construída pela empresa russa Atomstroyexport, a usina chinesa foi reconhecida pela Agência Internacional de Energia Atômica como a central nuclear operacional mais segura do mundo. Os dois lados consideram atualmente a construção de novas unidades de energia para a instalação de Tianwan, bem como a construção de uma central nuclear em Harbin.

    Tema:
    BRICS: organização do futuro (189)

    Mais:

    Opinião: FMI e Banco Mundial podem ser ultrapassados pelas instituições dos BRICS
    BRICS criarão mecanismo para cobertura constante da agenda do mundo multipolar
    Irã e Japão vão expandir cooperação em segurança nuclear
    Tags:
    energia atômica, usina nuclear, usina atômica, internacional, mercado, energia nuclear, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Corporação Nacional Nuclear da China, Atomstroyexport, BRICS, Dmitry Rogozin, Heilongjian, Harbin, Tianwan, Pequim, Moscou, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar