19:44 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Aleksander Lukashenko, presidente da Bielorrússia

    Minsk diz que melhora nas relações só depende do Ocidente

    © Sputnik/ Vladimir Astapkovich
    Mundo
    URL curta
    2221

    Uma possível melhora nas relações entre Minsk e o Ocidente depende inteiramente dos parceiros do oeste, segundo afirmou em declaração a repórteres o presidente da Bielorrússia, Aleksander Lukashenko.

    Presidente da Bielorrússia, Aleksander Lukashenko
    © AP Photo/ Alexander Zemlianichenko
    "Tudo depende do Ocidente", disse o político acrescentando que "nós fizemos tudo o que exigiram de nós".

    Lukashenko salientou que se depois das eleições presidenciais a União Europeia levantar as sanções contra a Bielorrússia "ficaria feliz".

    Ele também acrescentou que, se reeleito como presidente, Minsk seguirá mantendo a posição de "um país amigo" e "irmão" da Rússia.

    "Não há dúvida quanto a isso, e eu digo especialmente diante dos jornalistas ocidentais", enfatizou.

    Comentando sobre a situação ucraniana, Lukashenko destacou que a Bielorrússia "nunca será uma plataforma para ataques contra qualquer Estado, não só a Ucrânia".

    O Ocidente vem exercendo pressão política e econômica sobre a Bielorrússia por duas décadas. A União Europeia alegando violações de direitos humanos impôs sanções em dezembro de 2010, estendendo-as em 2012 por mais três anos.

    A UE condicionou o afrouxamento das restrições à liberação de supostos "presos políticos" por parte do governo do país.

    Minsk, por sua vez, defende-se afirmando que no país não existem presos políticos.

    Mais:

    Lukashenko diz que 'nem um rato' cruzará a fronteira da Ucrânia com a Bielorrússia
    Bielorrússia recebe status de observador junto à Organização de Cooperação de Xangai
    Bielorrússia está reforçando fronteira com Ucrânia
    Papa Francisco pode visitar a Bielorrússia
    Tags:
    direitos humanos, relações diplomáticas, embargos, sanções, União Europeia, Aleksander Lukashenko, Ocidente, Europa, Rússia, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik