02:53 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Confrontos entre jovens palestinos e polícia israelense em Jerusalém Oriental

    Palestina e Israel: nova onda do terror mútuo

    © REUTERS / Ammar Awad
    Mundo
    URL curta
    1055
    Nos siga no

    O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu proibiu aos ministros israelenses e legisladores visitar o Monte do Templo, local santo de Jerusalém, onde tensões estão aumentando. Uma nova onda de ataques palestinos provoca temores de uma terceira intifada (rebelião popular palestina contra Israel).

    No incidente mais recente, um palestino de 19 anos de idade feriu um estudante do seminário judeu em uma estrada principal em Jerusalém na quinta-feira (8). Segundo a polícia, o assaltante foi preso no local do crime. A vítima está numa condição grave depois de ataque com uma faca ao pescoço.

    Nesta semana quatro israelenses e cinco palestinos foram mortos em Jerusalém. O Crescente Vermelho palestino disse que 288 palestinos foram feridos durante confrontos com as forças de segurança de Israel. 

    Depois de um protesto de direita contra a proposta de Benjamin Netanyahu, os oficiais israelenses esclareceram que a proibição de visitas de políticos ao Monte de Templo na Cidade Velha de Jerusalém também incluiria parlamentares árabes. O Monte de Templo é um lugar sagrado tanto para os judeus, quanto para os muçulmanos. Nos tempos contemporâneos neles está cituada a mesquita de al-Aqsa.  

    No comunicado o governo disse que o passo teve como objetivo "acalmar a situação em torno do Monte do Templo".

    Nas últimas semanas, no local sagrado havia confrontos entre atiradores de pedras palestinos e a polícia israelense. Os confrontos provocaram temores de uma revolta mais ampla.

    Funcionários do governo israelense acusaram líderes palestinos de jogar em preocupações muçulmanas sobre al-Aqsa para incitar palestinos à violência.

    Ao mesmo tempo, as autoridades militares israelenses notaram que a cooperação de segurança com a Autoridade Palestina que exerce autogoverno limitado na Cisjordânia continua. 

    Na terça-feira (6) de noite as autoridades israelenses e palestinas, supostamente, se encontraram para conversações de segurança na Cisjordânia. Na quarta-feira (9) houve apelos a partir da União Europeia para a calma e retorno ao diálogo político.

    Israel e a Palestina não têm realizado negociações de paz desde 2014. 

    No entanto, a tensão entre as partes continua. O prefeito de Jerusalém Nir Barkat na quinta-feira (8) pediu a todos os residentes de Jerusalém que têm licenças de armas para as transportar.

    "Dada a atual escalada [da violência] na situação de segurança, as pessoas com uma arma de fogo licenciado que sabem o que fazer com ela devem sair com a [sua arma] — é um imperativo", disse Barkat à Army Radio de Israel na quinta-feira (8). "De certa forma, é como um dever de reserva militar".

    O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu também comentou a situação e tentou acalmar os cidadãos:

    "Civis israelenses estão na vanguarda da guerra contra o terrorismo e também devem estar em alerta máxima", disse ele na quarta-feira (7) após uma visita ao quartel da polícia de Jerusalém. "O objetivo do terrorismo é espalhar o medo, e a maneira de o derrotar é manter a calma e resiliência, tanto a nível nacional como pessoal", disse o premiê.

    Netanyahu, que adiou uma visita à Alemanha para combater a violência que se desencadeou há três semanas, acrescentou: 

    "Nós já vivíamos nos tempos piores  do que isso, e nós vamos superar esta nova onda de terror por manter a nossa determinação, responsabilidade e unidade".

    Mais:

    Netanhyahu: questão síria não deve impedir contatos russo-israelenses
    Israel bombardeia Gaza em retaliação por lançamento de foguete
    Tags:
    confronto, Benjamin Netanyahu, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar