18:48 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos EUA

    Pentágono: Rússia exige que aviões dos EUA evitem o espaço aéreo da Síria

    © flickr.com/ Andrés Feliciano
    Mundo
    URL curta
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)
    0 7698912

    O Departamento de Defesa dos Estados Unidos declarou nesta quarta-feira, 30, que a Rússia se reportou a Washington com a solicitação de retirada de todos as aeronaves das Forças Armadas dos EUA do espaço aéreo da Síria.

    “Um representante oficial da Rússia em Bagdá informou hoje de manhã a embaixada dos EUA de que os aviões militares russos farão hoje incursões contra o EI sobre a Síria. Ele exigiu igualmente que os aviões dos EUA evitem o espaço aéreo da Síria durante essas missões” – declarou com exclusividade à Sputnik um representante oficial do Pentágono.

    Aviões das Forças Aeroespaciais iniciaram nesta quarta-feira uma operação militar de ataques aéreos pontuais contra posições do grupo terrorista Estado Islâmico na Síria.

    Mais cedo, o presidente russo Vladimir Putin obteve do Conselho da Federação, a câmara alta do parlamento do país, a aprovação do pedido de uso das Forças Armadas da Rússia no exterior.

    Segundo informou o chefe da administração do Kremlin, Sergei Ivanov, a decisão dos ataques partiu em resposta a um pedido de ajuda militar remetido à Rússia pelo presidente da Síria, Bashar Assad.

    Ivanov destacou, no entanto, que a ação das Forças Armadas da Rússia no exterior trata exclusivamente de operações aéreas, ficando excluído o uso de tropas russas em operação terrestres.

    Tema:
    Rússia combate Estado Islâmico na Síria (291)

    Mais:

    Rússia pode considerar envio de tropas à Síria se houver pedido de Damasco
    Rússia, Irã e Síria criam centro para cooperação com xiitas no combate ao Estado Islâmico
    Tags:
    terrorismo, exigência, ataques aéreos, espaço aéreo, Estado Islâmico, Departamento de Estado, Pentágono, EUA, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik