14:54 21 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Papa Francisco discursa na ONU.

    Na ONU, Papa pede reforma no Conselho de Segurança e critica organismos financeiros

    © AP Photo/ Mary Altaffer
    Mundo
    URL curta
    70ª Assembleia Geral da ONU (47)
    0 121

    Na presença de líderes de todo o mundo, o Papa Francisco fez nesta sexta-feira (25) o discurso de abertura da Cúpula do Desenvolvimento Sustentável, na sede das Nações Unidas, em Nova York, e não mediu palavras para criticar os órgãos financeiros internacionais e os danos ao meio ambiente e pediu uma reforma no Conselho de Segurança da ONU.

    “Os organismos financeiros internacionais devem velar pelo desenvolvimento sustentável e não a submissão asfixiantes dos países por sistemas de crédito que, longe de promover o progresso, submetem as populações a mecanismos de maior pobreza, exclusão e dependência”, afirmou o Papa.

    A reforma do Conselho de Segurança da ONU, segundo Francisco, foi defendida pelo chefe de Estado do Vaticano. Ele disse que a adaptação aos tempos é sempre necessária, “progredindo rumo ao objetivo final de dar a todos os países uma participação real nas decisões”.

    O Pontífice falou por 46 minutos, em espanhol, e por diversas vezes foi interrompido por entusiasmados aplausos. Ele começou seu discurso saudando os presentes e toda a “família Nações Unidas”, lembrou que é a quinta vez que um papa visita a ONU e destacou a atuação das Nações Unidas na busca pela paz mundial e em outras questões.

    Após criticar o sistema financeiro, o chefe de Estado do Vaticano afirmou que “nenhum ser humano, indivíduo ou grupo pode ser considerado onipotente e autorizado a passar por cima do direito dos outros”. Ele lembrou que muita gente é vítima do mau exercício do poder econômico, político e tecnológico e destacou que o cenário é de muitos “falsos direitos”.

    Em seguida, Papa Francisco tocou na questão ecológica. Ele afirmou que os seres humanos são parte integrante do meio ambiente e que qualquer dano a este prejudica o próprio homem. O religioso ainda argumentou que todo mau uso do meio ambiente é precedido de processos de exclusão social e se mostrou confiante de que a próxima conferência sobre o clima, em Paris, possa conseguir um bom acordo.

    O líder da Igreja Católica cobrou dos líderes mundiais que façam o possível para que todos dos seres humanos tenham o mínimo materialmente e espiritualmente para viverem em dignidade e formarem uma família. Ele condenou o fato de, em alguns países, as meninas serem excluídas da educação nas escolas.

    A negociação e o direito, segundo o Pontífice, devem ser buscados sempre e que a busca para se evitar os conflitos precisam ser incansáveis. Segundo o Papa Francisco, a guerra é a negação de todos os direitos. O religioso condenou o que chamou de “colonização ideológica” que as nações ricas tentam impor.

    Papa Francisco também pediu que o Tratado de Não-Proliferação das Armas Nucleares seja aplicado rigorosamente. Segundo ele, todos devem se empenhar por um mundo sem armas nucleares. O Pontífice lembrou o acordo fechado recentemente entre as potências mundiais e o Irã.

    A questão do Oriente Médio, norte da África e de outros países em que há perseguição aos cristãos e destruição dos locais de culto não foi deixada de lado pelo Papa Francisco. O Santo Padre ainda combateu o tráfico de drogas, que “mata milhões de pessoas em silêncio”.

    Tema:
    70ª Assembleia Geral da ONU (47)
    Tags:
    submissão, colonização ideológica, exclusão social, organismos financeiros, reforma, sistema financeiro, conflitos, armas nucleares, narcotráfico, guerra civil, meio ambiente, ecologia, Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, Cúpula do Desenvolvimento Sustentável, Nações Unidas, Conselho de Segurança da ONU, Igreja Católica, ONU, Papa Francisco, Ásia, Vaticano, Nova York, Oriente Médio, Irã, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik