06:39 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    A sofisticada fragata russa Admiral Grigorovich do projeto 11356

    Índia prefere fragatas russas a aviões franceses

    © Foto : topwar.ru
    Mundo
    URL curta
    8341

    A Índia expressou o seu interesse em comprar três navios de defesa de costa russos do projeto 11356 Burevestnik. Mas ainda não concordou as condições da compra dos caças franceses Rafale.

    No total, existem cinco navios do projeto 11356 Burevestnik. Todos foram construídos pelos estaleiros Baltiysky e Yantar. As discussões sobre a compra dos navios se realizavam há muito tempo, todavia, as partes tinham alguns desacordos relacionados à entrega dos motores. Segundo os dados que a Sputnik obteve de uma fonte no Ministério da Defesa da Índia, agora todas as discordâncias entre as partes estão eliminadas. Ao mesmo tempo, os detalhes do acordo não se revelam.

    Espera-se que o acordo sobre a compra dos navios seja discutida durante a visita do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, à Rússia no final do ano em curso.

    Entretanto, a Índia e a França ainda não conseguem concordar as condições finais da compra dos caças Rafale. Pelos vistos, o processo vai demorar mais do que foi previsto.

    Segundo fontes anônimas, a França aumentou o preço dos caças, tornando-o inaceitável para a Índia. O preço cresceu devido ao desejo índio de introduzir ao acordo um artigo sobre a assistência técnica dos Rafale de longo prazo e mudar a configuração dos caças para que corresponda aos padrões da Força Aérea da Índia.

    Segundo o ex-conselheiro do departamento das finanças do Ministério da Defesa indiano, Amit Cowshish, as partes não demorarão e concordarão as condições no tempo mais próximo.

    Vale lembrar que inicialmente se tratava do contrato maior que não foi realizado porque o preço dos 126 caças de classe Rafale de 25 bilhões de dólares foi demasiadamente alto para a Índia.

    Tags:
    contrato, navios, caças, compra, França, Índia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik