14:42 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Representantes das FARC em Havana.
    © AP Photo / Desmond Boylan

    Depondo as armas: FARC e governo da Colômbia assinam hoje acordo sobre justiça

    Mundo
    URL curta
    0 112
    Nos siga no

    O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Timoleón Jiménez “Timochenko”, se reunirão nesta quarta-feira (23) com os negociadores de paz em Havana, Cuba, a fim de acelerar o fim do conflito que já dura quase 50 anos.

    O encontro, marcado para as 17h (18h no horário de Brasília), contará ainda com a participação do presidente cubano Raúl Castro, segundo uma fonte da delegação de paz da guerrilha colombiana ouvida pela AFP, e se focará na questão da justiça e das reparações às vítimas.

    As negociações começaram em Havana em 2012 e até agora têm conseguido avançar temas como a reforma agrária, a participação política das FARC e o narcotráfico. A questão da justiça, que começou a ser discutida este ano, é complicada pelo fato de ambos os lados culparem-se mutuamente de responsabilidade maior pela violência armada no país latino-americano.

    Segundo Rafael Rezende, pesquisador do Núcleo de Estudos de Teoria Social e América Latina (NETSAL) do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), as FARC constituem o movimento guerrilheiro mais antigo da América Latina em atividade, tendo atuado desde os anos 1960 na organização de camponeses segundo uma visão marxista-leninista e em prol de uma Colômbia socialista. 

    Nesse contexto, de acordo com o especialista, os Estados Unidos tentaram desde os anos 1980 associar diretamente a atividade guerrilheira das FARC com o narcotráfico, a fim de justificar intervenções militares no continente. 

    “Já nos anos 2000 os EUA preparam o Plano Colômbia, dizendo que o objetivo seria combater o narcotráfico e a produção de cocaína no território colombiano, mas, na verdade, foi um plano militar, uma ponta de lança da entrada dos EUA e de seu controle na América Latina”, explicou Rezende em entrevista à Sputnik, acrescentando que o Plano foi “um fracasso total” tanto na ofensiva contra as FARC quanto no combate ao tráfico de drogas.

    O analista do IESP disse ainda que, desde a entrada do Presidente Juan Manuel Santos, a Colômbia tem tentado exercer uma política mais soberana no trato com as FARC e no combate ao narcotráfico. 

    Ontem (22), de fato, o chefe de Estado colombiano anunciou que o governo passará a entregar terras às pessoas que substituírem plantios de coca e cultivarem produtos lícitos por mais de cinco anos. A medida faz parte de uma nova estratégia antidrogas que procura se articular de maneira colaborativa com os ex-guerrilheiros das FARC.

    “Um dos compromissos já alcançados com as FARC é que, quando depuserem as armas, contribuirão com a solução ao problema das drogas ilícitas”, disse Santos em declaração televisionada, acrescentando que já foram discutidos planos conjuntos para a substituição dos cultivos de coca.

    Para Rezende, o encontro de hoje com os negociadores de paz em Havana é animador, apesar de ainda restarem muitos tópicos na mesa de negociações.

    “Uma das dificuldades encontradas nesse processo de paz é a desconfiança, por parte da guerrilha, em relação ao governo. Em primeiro lugar, porque existem diversas guerrilhas paramilitares de direita alimentadas e toleradas pelo governo colombiano – e essas guerrilhas também deveriam ser desarmadas”, pontuou o analista.

    Um segundo fator problemático, segundo ele, diz respeito ao fato histórico, registrado principalmente durante os anos 1980, de que os grupos guerrilheiros que tentaram depor as armas e seguir pela via democrática na Colômbia acabaram sendo atacados pelos grupos paramilitares do país. “O caso do M-19 é exemplar. Boa parte da cúpula do grupo foi exterminada por grupos paramilitares após abandonar a guerrilha”, lembrou.

    Apesar dos problemas, a expectativa para um acordo de paz é alta. Ontem, a ex-senadora e defensora dos direitos humanos da Colômbia, Piedad Córdoba, felicitou o Presidente Santos e a liderança das FARC pelo acordo iminente sobre o ponto de justiça e reparação às vítimas.

    Em comunicado, a presidência da Colômbia afirmou que “a justiça é o centro das negociações de paz e com um acordo no tema o sonho de construir um país em paz começa a se tornar uma realidade”.

    Mais:

    Nicolás Maduro: Venezuela é vítima do modelo paramilitar da direita colombiana
    Venezuela fecha fronteira com Colômbia por ataque paramilitar
    FARC formalizam pedido para se encontrar com o Papa Francisco
    FARC: Suspensão dos bombardeios colombianos é benéfico para a paz
    Tags:
    Plano Colômbia, grupos paramilitares, coca, guerrilha, narcotráfico, drogas, cocaína, paz, acordo, negociações, vítimas, justiça, Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), Núcleo de Estudos de Teoria Social e América Latina (NETSAL), IESP, FARC, Rafael Rezende, Timoleón Jiménez "Timochenko", Juan Manuel Santos, Estados Unidos, Colômbia, Havana, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar