19:27 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Central Nuclear de Bushehr, Irã

    Irã faz concessões à AIEA em gesto de boa vontade

    © Sputnik/ Valeriy Melnikov
    Mundo
    URL curta
    3123

    O chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) Yukiya Amano visitou a instalação militar iraniana de Parchin, onde o Irã durante muito tempo não deixou entrar funcionários da agência que a queriam inspecionar, se diz o site oficial da AIEA.

    A análise das amostras ambientais de Parchin levará algumas semanas, disse o vice-diretor da AIEA Tero Varjoranta, visto que “não se pode ter dúvidas quanto ao resultado”.

    É de lembrar que antes a AIEA, por maioria de votos, absteve-se de inspecionar instalações atômicas de Israel, o que causou perplexidade entre os especialistas, tendo em conta a pressão tão severa sobre o Irã.

    Emad Abshenass, especialista para assuntos econômicos e políticos da Sputnik, chefe-redator do jornal “Irã Press”, comentou a visita da AIEA a Parchin.

    Ele destacou que Parchin é uma base militar, não nuclear, mas a AIEA já a inspecionou duas vezes usando vários pretextos.

    “Os pretextos da AIEA para inspeções se baseavam somente nos relatórios falsificados e dados recebidos de Israel, EUA e alguns países ocidentais. Por sua vez, o Irã suspeitou a agência de espionagem na sua instalação militar estratégica. Por isso, o Irã se recusou a deixar entrar os inspetores da AIEA em Parchin, sublinhando que Teerã não recusará uma inspeção sem uma razão séria, convincente e evidente”, explicou o especialista.

    Além disso, Emad Abshenass assinalou que, de acordo com o direito internacional, o Irã não é obrigado a deixar entrar inspetores da AIEA nas suas bases militares.

    Comentando a última visita de Yukiya Amano ao Irã, o jornalista disse que esta foi uma iniciativa da Organização da Energia Atômica iraniana:

    “O objetivo é demonstrar pessoalmente ao diretor da AIEA a transparência da política iraniana e dispersar todas as dúvidas da AIEA quanto à assim chamada ‘atividade nuclear não-declarada’”.

    O especialista opina que o país quer demonstrar desta forma à comunidade internacional que está disposto a “derreter o gelo” nas relações com a AIEA.

    Em 14 de julho após negociações ao longo de quase dois anos  o Irã e sexteto atingiram acordo “histórico”. O documento final prevê a redução das centrífugas instaladas na República Islâmica e o acesso às instalações por parte de inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) com a contrapartida da suspensão das sanções impostas ao país.

    Mais:

    Rouhani: nunca desejámos morte à América
    Depois do fim das sanções, Irã retoma relações com o Brasil
    Presidente do Irã deverá discursar na 70ª Assembleia Geral da ONU
    Tags:
    programa nuclear iraniano, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Hassan Rouhani, Yukiya Amano, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik