05:38 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio

    Especialista: Terremoto no Chile não causou problemas graves ao Brasil

    Mundo
    URL curta
    0 82
    Nos siga no

    O terremoto que atingiu o Chile, na quarta-feira (16), de 8,4 na Escala Richter, foi sentido também no Brasil, especialmente em cidades paulistas. Segundo o sismólogo Marcelo Bianchi, do Centro de Sismologia da USP – Universidade de São Paulo, não há perigo para o Brasil.

    O Professor Bianchi, que é também do Departamento de Geofísica do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas do IAG da USP, explicou que o forte terremoto foi provocado pelo movimento das placas de Nazca, a placa oceânica na costa chilena, que estaria se movimentado por baixo da Placa Sul-Americana.

    “O contato gera um atrito que de tempos em tempos libera energia em forma de tremores, que emitem ondas que se propagam até o território brasileiro.”

    Bianchi explica que até hoje é impossível prever terremotos, e assim poder prevenir as populações.

    “A gente tem a ideia de que terremotos deste tipo acontecem. Sabemos que este tipo de terremoto acontece, mas não há como prever. É uma coisa que se tem que ficar monitorando e tentar gerar um alerta para a possibilidade de tsunami.”

    O especialista não acredita que um novo terremoto desta intensidade volte a acontecer agora em sequência no Chile.

    “Com essa intensidade, eu acho que as probabilidades são baixas, mas não podem ser descartadas. O que nós estamos monitorando, que vem desde ontem (16), são as réplicas menores, de magnitude em torno de 5 e 6 [na Escala Richter]. Isso está ocorrendo a uma por hora, pelo menos. Quem está no Chile sente, mas nós aqui no Brasil não sentimos esses tremores menores.”

    Marcelo Bianchi acredita que o fato de o terremoto ter sido sentido em cidades de São Paulo de forma mais significativa do que em outras regiões do Brasil tem a ver com a grande quantidade de arranha-céus nas cidades do Estado. O horário também influenciou, pois muitas pessoas estavam em casa, já descansando, o que favoreceu a maior percepção do fenômeno.

    “Os instrumentos que existem espalhados pelo mundo são mais sensíveis e detectaram isso no mundo inteiro. Em São Paulo, com uma densidade de pessoas muito grande, prédios muito altos – isso tende a amplificar os efeitos das ondas. Ou seja, há mais gente para sentir o tremor, prédios mais altos para colocar as pessoas em situação favorável ao sentir, e mesmo o horário, foi um horário em que as pessoas estavam chegando em casa, tentando relaxar, condição que favorece a percepção desses eventos.”

    O especialista em sismologia esclarece que, apesar das ondas do terremoto no Chile terem se propagado até o Brasil, isso não causa nenhuma consequência ou perigo para o país.

    “Esse tipo de evento que aconteceu no Chile não traz perigo para o Brasil. Traz esse desconforto, esse susto a que nós não estamos acostumados, mas não existe registro aqui no Centro de Sismologia de que tal efeito tenha causado algum dano permanente ou momentâneo. É mais o susto mesmo. Uma coisa que não acontece todo dia, e as pessoas nem sempre reconhecem logo de cara como sendo um terremoto distante.”

    Marcelo Bianchi explica que no Brasil acontecem terremotos com frequência, mas, devido à baixa intensidade na Escala Richter, a população não percebe.

    “O terremoto mais grave que ocorreu no Brasil foi em 1955, na Serra do Tombador, no Norte do país. Foi de cerca de 6,2 a 6,6 na Escala Richter.”

    O especialista revela que as localidades com maior incidência de terremotos no país estão no Rio Grande do Norte; em Minas Gerais, na cidade de Montes Claros; no Estado de Goiás; e em Tocantins.

    De acordo com autoridades chilenas, até o início da noite desta quinta-feira (17) foram confirmados 11 mortos no terremoto no Chile. Dezenas de pessoas ficaram feridas, e mais de 1 milhão tiveram que deixar suas casas.

    Segundo o Consulado-Geral do Brasil em Santiago, que acompanha de perto a situação, não há, até o momento, notícia de cidadãos brasileiros entre as vítimas.

    Tags:
    tsunami, terremoto, Marcelo Bianchi, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar