14:41 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 28
    Nos siga no

    O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Raad al Hussein, declarou em um comunicado que a Hungria está violando o direito internacional com sua resposta à crise humanitária.

    Raad al Hussein declarou nesta quinta-feira que ficou chocado com as ações das autoridades húngaras, acrescentando que "as imagens de mulheres e crianças jovens atacados com canhões de água e gás lacrimogêneo na fronteira entre a Hungria e a Sérvia são verdadeiramente chocante". 

    Ele disse também que as ações da Hungria são "cruéis, e em alguns casos ilegais", mencionando entre elas as detenções maciças, deportação de refugiados, ataques a jornalistas e ao confisco de materiais audiovisuais sobre o uso indiscriminado da força.

    Segundo as Nações Unidas, o tratamento que Budapeste está dando aos imigrantes que tentam entrar no país é uma violação do direito internacional, em particular o Pacto de Direitos Civis e Políticos, a Convenção de Refugiados de 1951 e a Convenção contra a tortura.

    Anteriormente, Raad al-Hussein havia pedido aos países europeus que façam mais para acomodar os refugiados, observando que “embora os Estados tenham o direito de proteger suas fronteiras e decidir sobre as condições de entrada e permanência no seu território, também são obrigados a respeitar os direitos humanos dos refugiados e o direito humanitário internacional ".

    Mais:

    Hungria e Sérvia convocam reunião de emergência para discutir crise de refugiados
    Grécia diz que postura da Hungria sobre refugiados é "delirante"
    Polícia húngara também agride jornalistas durante confrontos com refugiados
    Síria inaugura primeiro campo de refugiados construído pela Rússia
    Polícia húngara usa jatos d'água para conter entrada de refugiados na fronteira com Sérvia
    Tags:
    crise migratória, direito internacional, direitos humanos, refugiados, ONU, União Europeia, Hungria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar