04:46 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Escritório da Cruz Vermelha em Mariupol, na região de Donetsk

    Milhares de pessoas podem ter desaparecido durante conflito na Ucrânia

    © AP Photo / Philippe Desmazes
    Mundo
    URL curta
    107
    Nos siga no

    O número de desaparecidos por causa do conflito no leste da Ucrânia pode atingir alguns milhares de pessoas, disse à RIA Novosti o chefe de operações do Comitê Internacional da Cruz Vermelha para a Europa e Ásia Central, Laurent Corbaz.

    “Nesta etapa temos mais de 300 inquirições de famílias, cerca de 380. Mas os números finais serão muito mais altos. Trata-se de milhares de pessoas desaparecidas”, disse.

    Segundo ele, CICV ocupa-se desde há muito tempo da busca de pessoas desaparecidas durante os conflitos. E tais programas realizam-se por muitos anos.

    “Receio que seja só o início de um trabalho muito longo. Eu digo isso não por causa das peculiaridades da Ucrânia, mas sim por causa da especificidade deste tema – pessoas desaparecidas. É uma das atividades tradicionais do CICV. E nós sabemos que, logo que ela começa, irá durar muitos anos. Nós ainda fazemos este trabalho nos Bálcãs, mesmo 20 anos depois do fim do conflito”, sublinhou Cobraz.  

    As hostilidades no leste da Ucrânia começaram em meados de abril de 2014. Segundo os últimos dados da ONU, o conflito levou as vidas de 7.962 pessoas e mais 17.811 pessoas ficaram feridas. 

    Falando do processo de troca de prisioneiros, Corbaz manifestou prontidão de cooperar neste sentido. Segundo as palavras dele, o Comitê também espera receber permissão de visitar prisioneiros de guerra nos territórios das autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e de Lugansk. 

    “Nós queremos receber acesso aos presos, assim como participar de troca de prisioneiros. Se os lados interessados pensarem que é útil, estamos ao serviço deles”, declarou.

    Tags:
    conflito, prisioneiros, Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar