03:56 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Palácio do Itamaraty

    Ministro das Relações Exteriores renova parcerias com Irã e Líbano

    Ana de Oliveira/AIG-MRE
    Mundo
    URL curta
    171

    O Ministro das Relações Exteriores, Embaixador Mauro Vieira está em viagem oficial internacional de trabalho. Nesta segunda-feira(14) o embaixador encerra a visita à República Islâmica do Irã, e segue para a República do Líbano, onde fica por dois dias até quarta-feira, dia 16 de setembro.

    Em Teerã, nos dias 13 e 14 de setembro, o Ministro foi recebido em audiência pelo Presidente Hassan Rouhani e manteve encontros com o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Javad Zarif, e com o Secretário do Supremo Conselho Nacional de Segurança, Contra-Almirante Ali Shamkhani.

    De acordo com a Diretora do Departamento da Ásia Central, Meridional e Oceania, Maria Clara Duclos Carisio, a viagem para o Irã tem como objetivo ampliar o diálogo político e a diversificação da cooperação e do intercâmbio bilaterais, que acontece entre Brasil e Irã desde 1904. “Essa visita se insere num histórico amplo de relações com o Irã. O ambiente sempre foi de franco diálogo, de entendimento, de cooperação. Isso se tornou bem visível, em especial durante o Governo do ex-presidente Lula, em que houve visitas presidenciais do Presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad ao Brasil, em 2009, e depois do ex-presidente Lula ao Irã, em 2010. Esse período serviu para concretizar uma série de iniciativas, em especial, na área de cooperação em ciência e tecnologia, e na área de comércio. Dos resultados mais visíveis desse período de mais estreito diálogo foi a Declaração de Teerã, em 2010, quando da visita do ex-presidente Lula e que buscava medida de construção de confiança para uma solução do problema do programa nuclear iraniano.”

    O comércio entre o Brasil e o Irã, superavitário para o Brasil, vinha crescendo progressivamente até 2011/2012, ultrapassando US$ 2 bilhões, mas foi reduzido em quase 50% após as sanções internacionais impostas ao Irã.  A Embaixadora Maria Clara explicou que a perspectiva de levantamento das sanções abre oportunidades para a expansão do intercâmbio em setores como o agronegócio e de investimentos nas áreas de hidroeletricidade, mineração e infraestrutura. “As ideias principais são a retomada do comércio bilateral, que esteve durante muito tempo em um ritmo crescente, quando em 2011/2010 ultrapassou US$ 2 bilhões nos dois sentidos. A partir de 2012 isso vem caindo e foi reduzido  praticamente a metade, se não me engano em US$ 1,4 bilhão, em 2014, em função especialmente das sanções unilateralmente impostas, e que terminaram refletindo no que seria o comércio com o Brasil, não por ter alguma sanção específica aplicado ao comércio brasileiro com o Irã, mas pela dificuldade de se encontrar fontes de financiamento em instituições financeiras que pudessem fazer os pagamentos das transações comerciais. A perspectiva do levantamento gradual dessas sanções no futuro  com a assinatura do  Joint Comprehensive Plan of Action, que é a solução que está se encontrando para a construção da confiança na relação com o Irã na questão do programa nuclear, traz boas perspetivas para o reestabelecimento de um comércio normal do Brasil, porque serão mais facilitadas as condições de financiamento e pagamento de importações e exportações.”  

    Maria Clara acredita, que o Ministro Mauro Vieira também vai aprofundar o diálogo bilateral em direitos humanos e iniciativas de cooperação em setores como agricultura, energia, ciência e tecnologia, medicamentos e equipamentos hospitalares.

    Já com relação a visita oficial do Ministro Mauro Vieira ao Líbano, a Diretora do Departamento de Oriente Médio do Ministério das Relações Exteriores, Embaixadora Ligia Maria Scherer, explica que também tem o objetivo de fortalecer as relações do Brasil com país, principalmente após o memorando de entendimento assinado do Líbano com o Mercosul. Mauro Vieira vai discutir com as autoridades locais a agenda bilateral, com ênfase no incremento do comércio e investimentos, na situação da comunidade brasileira no país e na troca de impressões sobre o quadro político e de segurança local e regional. “No ponto de vista econômico-comercial, no ano passado o Líbano assinou com o Mercosul um memorando de entendimento com vistas a negociação de um acordo de livre comércio. Já houve uma reunião, e está prevista uma segunda ainda. É um memorando de entendimento com vistas ao incremento, ao fortalecimento das relações econômico e comerciais Líbano-Mercosul. Também assinamos um acordo para isenção de vistos diplomáticos oficiais e para extensão de vistos de turismo e empresariais. Isso são elementos que reforçam ainda mais a já muito sólida e importantes relações do Brasil com o Líbano.”

     Em Beirute, manterá encontros com o Primeiro-Ministro, Tammam Salam, com o Presidente do Parlamento, Nabih Berri, e com o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Expatriados, Gebran Bassil.

    Ligia Maria ressalta os laços estreitos entre Brasil e Líbano, onde países mantêm relações diplomáticas desde 1944. O Brasil abriga hoje a maior comunidade de libaneses e descendentes no mundo, um total de cerca de 17 milhões de pessoas.

    A embaixadora chama a atenção que Mauro Vieira também deve discutir a situação no Oriente Médio. “Todos sabem que com o conflito na Síria são cerca de 1,2 mil refugiados que o Líbano acolhe. Isso representa 25% da população, é um peso muito grande. O Brasil tem procurado ajudar no máximo de suas possibilidades. A nossa cooperação é cerca de US$ 700 mil, em recursos financeiros e em bens tanto para o Acnur, a agência da ONU para refugiados, e para atender a UNRWA— Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos que também é um grande contingente no Líbano. Além disso temos o Visto Humanitário, que tem sido concedido para refugiados, com essa medida para facilitar a saída e a acolhida, foram mais de 7 mil vistos concedidos. Registrados no Brasil de ingresso já são cerca de 2 mil. Prevê-se a reedição dessa medida de concessão de visto em caráter humanitário agora no mês de setembro.”

    Na companhia do Ministro da Defesa, Jaques Wagner, o Ministro Mauro Vieira visitará ainda Fragata União e a Corveta Barroso, esta recentemente incorporada à Força-Tarefa Marítima da UNIFIL (FTM-UNIFIL). O Ministro Mauro Vieira imporá, em nome da Presidenta da República, a Insígnia da Ordem do Rio Branco à Corveta Barroso, que no último dia 5 de setembro resgatou 220 imigrantes à deriva no mar Mediterrâneo.

    Desde 2011, o Brasil comanda a Força-Tarefa e fornece o navio capitânia para a missão, dando importante contribuição à estabilidade da região.

    Tags:
    refugiados, Fragata União, Corveta Barroso, comércio exterior, comércio bilateral, relações bilaterais, programa nuclear iraniano, Declaração de Teerã, Unifil, UNRWA, ONU, Mercosul, Jaques Wagner, Gebran Bassil, Nabih Berri, Tammam Salam, Ligia Maria Scherer, Luiz Inácio Lula da Silva, Mahmoud Ahmadinejad, Maria Clara Carisio, Ali Shamkhani, Mohammad Javad Zarif, Hassan Rouhani, Mauro Vieira, Mar Mediterrâneo, Oriente Médio, Líbano, Irã, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik