02:10 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Migrantes e policiais perto da fronteira entre a Hungria e Sérvia, aldeia  Roszke, 7 de setembro de 2015

    Rússia prefere não comentar situação dos refugiados na União Europeia

    © AFP 2018/ CSABA SEGESVARI
    Mundo
    URL curta
    3131

    Moscou não comenta a situação dos refugiados nos países da União Europeia, visto que considera que é uma questão interna do bloco. A declaração é do porta-voz presidencial russo, Dmitry Peskov.

    Desde o começo do ano, cerca de 500 mil refugiados chegaram ao território da União Europeia, sendo que são milhares de pessoas que chegam à Europa diariamente. A Comissão Europeia declarou que a atual crise migratória é a maior desde a Segunda Guerra Mundial. 

    “É claro que isso representa um grande problema para os países da União Europeia. No geral, quaisquer comentários aqui seriam inadequados. Isso é uma questão interna da União Europeia”, disse o porta-voz russo nesta segunda-feira. 

    Ele ainda acrescentou que a Rússia não tem grandes problemas em relação ao afluxo de migrantes. "Esta situação com os refugiados é antes uma situação que representa um problema muito agudo a UE, e não para a Rússia", disse Peskov.

    Anteriormente, o ministro das relações exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, havia declarado que os países que têm a responsabilidade pelos conflitos devem assumir também a responsabilidade pelas calamidades que estes conflitos provocam – inclusive os refugiados. 

     

    Mais:

    Papa alerta: crise de refugiados na Europa é apenas a ponta do iceberg
    UE: сorrida de obstáculos para refugiados
    Crise de refugiados na Europa: Prefeito de Munique alega que a cidade já está cheia
    Refugiados são alojados em campo de concentração
    Ministro alemão: países da EU precisam cumprir metas, apesar dos custos com refugiados
    Tags:
    crise migratória, imigrantes, refugiados, Kremlin, Dmitry Peskov, Sergei Lavrov, Europa, União Europeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik