12:22 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Migrantes e policiais perto da fronteira entre a Hungria e Sérvia, aldeia  Roszke, 7 de setembro de 2015

    Países da União Europeia reintroduzem controle fronteiriço

    © AFP 2018 / CSABA SEGESVARI
    Mundo
    URL curta
    231

    A grande onda de refugiados provenientes dos países do Oriente Médio e África faz com que os países europeus endureçam os procedimentos de entrada e saída de migrantes.

    No domingo (13), as autoridades alemãs tomaram a decisão de usar as cláusulas previstas no Código de Fronteiras Schengen que permitem temporariamente reintroduzir o controle fronteiriço entre os países da União Europeia. O país, que só uma semana atrás criticou a Hungria pelo tratamento inadequado dos refugiados, agora não é capaz de dar resposta a um colossal fluxo de migrantes, praticamente sem controle.

    "Temos de reforçar o controle fronteiriço aqui porque nos últimos dias descobrimos que muitas pessoas que chegam aqui, na verdade, não são refugiados.Recentemente se tornou popular a opinião que tudo dará resultado se disserem que são da Síria", disse o ministro do Interior da Baviera, Joachim Herrmann.

    Segundo a AFP, reagindo à decisão da Alemanha, as autoridades austríacas anunciaram que também introduzirão o controle fronteiriço. "Sim, vamos fazer o que a Alemanha fez, ou seja, a reintrodução do controle fronteiriço temporário previsto no acordo de Schengen", disse a ministra de Interior austríaca Johanna Mikl-Leitner aos jornalistas na segunda-feira (14) em Bruxelas.

    A Áustria e Alemanha são países da zona de Schengen onde não há controle fronteiriço interno, mas funciona o controle da fronteira exterior. Aproximadamente 44 mil refugiados chegaram à Alemanha em setembro este ano, principalmente através da fronteira entre a Áustria e a Baviera.

    A mesma decisão foi tomada na segunda-feira (14) pela Eslováquia, que reintroduziu o controle na fronteira com a Hungria e a Áustria. A representante do Ministério do Interior eslovaco disse, "Trata-se das medidas temporárias. O controle reforçado não significa o fim de Schengen".

    A Bélgica e a Polônia podem seguir igualmente o exemplo da Alemanha e Áustria e reintroduzir o controle nas fronteiras em caso de um grande influxo dos refugiados dos países do Oriente Médio e África.

    "Somente caso tenhamos uma situação semelhante [introduziremos o controle fronteiriço], mas agora isso não é relevante", informa o jornal Le Soir citando o secretário-geral belga pelos assuntos de asilo e migração Theo Francken.

    "Se houver alguma ameaça para a fronteira polaca, o controle vai ser introduzido", disse o primeiro-ministro da Polônia, Ewa Kopacz, informa a AFP.

    Merkel e chefes dos outros países europeus reintroduzem controle fronteiriço dentro de Schengen
    Merkel e chefes dos outros países europeus reintroduzem controle fronteiriço dentro de Schengen

    Segundo os dados da Organização Internacional de Migração divulgados na sexta-feira (11), este ano mais de 430 mil refugiados chegaram à Europa através do Mar Mediterrâneo. O maior número de refugiados é proveniente da Síria e do Afeganistão. Alguns especialistas escrevem que a atual crise humanitária na Europa é a pior desde a Segunda Guerra Mundial.

    Tags:
    migração, fronteiras, refugiados, Werner Faymann, UE, Oriente Médio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik