20:25 25 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da China, Xi Jinping, durante um discurso na Coreia do Sul, em 2014

    Presidente chinês pode cancelar visita aos EUA

    © Fotobank.ru/Getty Images/ SeongJoon Cho
    Mundo
    URL curta
    17621

    O governo dos EUA está estudando a possibilidade de aplicar sanções à China em retaliação contra uma série de ataques cibernéticos supostamente realizados por hackers chineses.

    Segundo um especialista citado pela edição The Hill, que acompanha o quotidiano do Congresso estadunidense, não introduzir sanções “fará a administração de [o presidente dos EUA, Barack] Obama parecer fraca”.

    Ora, introduzi-las ameaçará enfraquecer as relações sino-estadunidenses.

    Xi Jinping está se preparando para participar de uma cúpula nos EUA. Está planejada uma reunião com o seu colega estadunidense às margens desta cúpula, que deve ter lugar em finais de setembro.

    Na sexta-feira passada, o conselheiro de Estado chinês, Yang Jiechi, disse que a China e os EUA podiam elaborar regras internacionais de cibersegurança.

    Em julho, a Agência de Gerenciamento do Pessoal dos EUA responsabilizou os hackers chineses por um vazamento de dados pessoais sensíveis de mais de 20 milhões de pessoas. Depois, em agosto, a inteligência norte-americana alegou que o mesmo grupo de hackers podia ter tido acesso a e-mails classificados de vários altos funcionários do país que podem datar desde cinco anos atrás.

    Mais:

    Brasil: acordo para fim de tarifas sobre comércio de eletrônicos só beneficia EUA e China
    Assim como Rússia, China também vai comprar leite e derivados do Brasil
    Hollande apoiará fim das sanções contra Rússia se acordo de 'Minsk-2' for cumprido
    Em tempos de sanções, russos dão preferência a produtos nacionais
    Kremlin: Rússia precisa se preparar para nova onda de sanções
    Rússia investe na parceria com países da Ásia-Pacífico para driblar sanções do Ocidente
    Tags:
    cúpula, sanções, Barack Obama, Xi Jinping, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik