15:51 25 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    14218
    Nos siga no

    Premiê ucraniano Arseni Yatsenyuk disse estar cético quanto aos Acordos de Minsk

    “Temos duas variantes quanto aos Acordos de Minsk – a boa e a má. A primeira é não assinar nenhum acordo, a segunda é assinar. Quero diz honestamente, encaro ceticamente os Acordos de Minsk mas entendo que é o único acordo que temos agora”, disse o primeiro-ministro ucraniano no decorrer do fórum Estratégia Europeia de Yalta, que se realiza em Kiev.

    A fim de buscar uma solução para o conflito, em 12 de fevereiro de 2015 representantes da Alemanha, Rússia, França e Ucrânia se reuniram na capital da Bielorrússia e determinaram a retirada de tropas, um cessar-fogo completo em Donbass e uma reforma constitucional com a entrada em vigor até o final do ano de 2015 de uma nova Constituição, com a descentralização como elemento-chave, através da assinatura dos chamados Acordos de Minsk.

    Arseni Yatsenyuk adicionou que Kiev cumpre os compromissos assumidos no âmbito do processo de Minsk e está disposto a realizar eleições em Donbass, mas, segundo ele, agora não há condições para tal:

    «Estamos dispostos a realizar as eleições honestas e livres em Donetsk e Lugansk somente se estas corresponderem aos critérios da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Não consigo imaginar como vai a OSCE confirmar que somos capazes de realizar eleições livres sob a mira de uma arma Kalashnikov em cada assembleia de voto ", — acrescentou ele.

    Yatsenyuk culpou mais uma vez a Rússia por ela alegadamente não cumprir os compromissos assumidos. O premiê apelou à comunidade internacional a não levantar as sanções impostas à Rússia enquanto os Acordos de Minsk não forem cumpridos. 

    “Queria dizer aos meus colegas ocidentais que, se os senhores tiverem várias mensagens para [o presidente russo Vladimir] Putin, por exemplo, se disserem que levantarão as sanções, se houver passos pequenos, é uma fraqueza… As sanções podem ser levantadas em um único caso – depois da realização completa dos Acordos de Minsk, quando Lugansk, Donetsk e Crimeia voltarem à Ucrânia”, afirmou o premiê.

    A península da Criméia se separou da Ucrânia para se juntar a Rússia em março de 2014 após um referendo em que mais de 96% da população votaram a favor da secessão. O governo central ucraniano e seus aliados ocidentais chamaram a votação uma “anexação”, enquanto a Rússia assinalou que as ações da população local estavam dentro do quadro do direito internacional.

    Mais:

    OTAN envolve Áustria no armamento da Ucrânia
    Quarteto da Normandia concorda com eleições locais em Donbass
    Comissão Europeia: Ucrânia pode seguir os passos da Síria
    Tags:
    crise ucraniana, Acordos de Minsk, Arseni Yatsenyuk, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar