14:45 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    10341
    Nos siga no

    Apenas o povo sírio pode decidir o futuro o presidente do país, Bashar Assad, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, nesta quinta-feira, negando a existência de um plano para forçar a renúncia de Assad.

    O porta-voz do Kremlin comentou os relatos em veículos de imprensa que davam conta da existência de um plano para remover o presidente sírio do poder, deixando-o responsável apenas por funções protocolares.

    "Há muitas propostas. Em todo caso, é importante que o futuro de Assad seja determinado pelo povo sírio, não por algum ator externo", afirmou Peskov.

    A imprensa ocidental relatou que a Rússia havia supostamente feito um acordo com os Estados Unidos e a Arábia Saudita para tirar Assad do poder.

    O Ministério de Relações Exteriores da Rússia informou na segunda-feira que Moscou considera como falsas alegações os relatos recentes na imprensa sobre uma mudança na posição do país em relação à Síria. Segundo o órgão, os rumores têm como objetivo mudar o foco da responsabilidade pelo fracasso das políticas ocidentais no Oriente Médio.

    A Síria passa por uma guerra civil desde 2011, com as forças do governo do Presidente Assad combatendo vários grupos de oposição e grupos radicais islâmicos como a Frente Nusra e o Estado Islâmico.

    Vários países do Ocidente vêm apoiando o que chamam de rebeldes "moderados", enquanto a Rússia afirma que o governo Assad é legítimo e que o povo da Síria deve escolher seu governo e seus líderes sem intervenção externa.

    Mais:

    Lavrov explicou por que militares russos estão na Síria
    Ucrânia fecha espaço aéreo para ajuda humanitária russa à Síria
    Refugiados da Síria podem chegar à Rússia
    Comissão Europeia: Ucrânia pode seguir os passos da Síria
    Tags:
    autodeterminação dos povos, legitimidade, presidente, guerra civil, Kremlin, Ministerio das Relacoes Exteriores (Russia), Dmitry Peskov, Bashar Assad, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar