13:02 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Área destruída na cidade de Alepo, na Síria.

    Político sírio apoia criação de coalizão antiterrorista proposta por Putin

    © REUTERS / Abdalrhman Ismail
    Mundo
    URL curta
    5191

    A coalizão antiterrorista internacional, proposta pelo presidente russo, Vladimir Putin, irá se tornar uma nova "rede de segurança regional" que ligará os governos dos países do Oriente Médio, declarou ao Sputnik o representante do Partido Social Nacional Sírio, Tarek Ahmed.

    Nesta sexta-feira (4), o líder russo disse ter mantido uma conversa telefônica sobre a criação de uma coalizão antiterrorista com o seu colega norte-americano Barack Obama.

    "Se as partes chegarem a um acordo, seria uma nova rede de segurança regional que ligaria os governos dos países vizinhos na região em sua luta contra o terrorismo", disse Ahmed.

    O político enfatizou que seu partido, assim como o governo da Síria, têm avaliado positivamente a iniciativa do presidente russo.

    Desde 2011 a Síria vive um conflito armado que, segundo estimativas da ONU deixou mais de 230.000 mortos. De acordo com a ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede em Londres, o conflito já atingiu o montante de 320 mil mortos e 11,5 milhões de indivíduos deslocados, metade do população do país.

    As forças governamentais sírias enfrentam diferentes grupos armados, incluindo alguns membros do grupo militante Estado Islâmico (EI) no país, reconhecidos atualmente como a maior ameaça à paz mundial.

    Mais:

    Iniciativa de Putin visa criar ampla coalizão contra Estado Islâmico
    Bélgica encerra participação na coalizão contra EI enquanto Irã toma iniciativa
    Iraque: coalizão faz pouco no combate ao Estado Islâmico
    Síria pede a formação de uma coalizão contra EI apoiada por Rússia
    Tags:
    terrorismo, guerra civil, ajuda militar, coalizão, Guerra Civil Síria, EI, Observatório Sírio para Direitos Humanos, ONU, Barack Obama, Vladimir Putin, Tarek Ahmed, EUA, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik