02:34 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Situação na Líbia

    Europa não sabe o que fazer se negociações na Líbia fracassarem

    © AFP 2018 / FETHI NASRI
    Mundo
    URL curta
    8182

    A União Europeia não tem nenhum plano de emergência que poderia ser usado caso as negociações líbias fracassem porque isto destruirá todo o progresso, disse Federica Mogherini.

    A alta representante da UE para Relações Exteriores e Política de Segurança fez esta declaração em uma reunião informal dos ministros das Relações Exteriores dos países da EU em Luxemburgo.

    Antes a ONU comunicou que o diálogo líbio entrou na fase final. Bernardino León, Representante do Secretário Geral da ONU na Líbia, tenta fazer com que todas as principais forças políticas da Líbia estejam presentes nas negociações e concordem todos os artigos do documento final sobre a regulação interna da Líbia, o que permitirá formar um governo de unidade nacional e iniciar o processo de transição.

    Respondendo à pergunta se tinha um plano de emergência para a situação na Líbia, Federica Mogherini disse que é preciso se concentrar na conclusão do acordo.

    “Nem para os europeus, nem para superar os fluxos migratórios e dos refugiados, mas para os líbios que estão cansados dos conflitos e sofreram por muito longo tempo e merecem a paz no país”, destacou a chefe da diplomacia europeia. 

    É de lembrar que a Líbia entrou na guerra civil em 2010 durante a Primavera Árabe. No resultado o Estado foi retalhado, já não existe, se debate em crise permanente com o confronto entre pelo menos quatro fações armadas.

    Apesar da morte violenta do ex-líder da Líbia, Muammar Kadhafi, e dos seus filhos após a derrota das forças leais a eles em combates com os rebeldes reforçados pela aviação da OTAN, a resistência guerrilheira continua. Os acontecimentos na Líbia foram a primeira guerra em grande escala que se desenvolveu a partir de protestos de rua. A guerra matou cerca de 30.000 pessoas, 30% das quais eram civis.

    Há relatos muito convincentes de que o Ocidente estaria por trás dos protestos, como parte de um plano para garantir a hegemonia política na região.

    Então agora a Europa sofre pelos seus próprios erros. Destruindo o bem-estar dum país, toda a união fica na situação na crise, tendo em conta os fluxos migratórios sem precedentes.

    Mais:

    Sputnik ajuda senador americano a lembrar piores momentos da história dos EUA
    OTAN ajudará a reforçar defesa da Líbia, mas não agora
    Chanceleres da Itália, Alemanha e França debatem crise migratória na UE
    Tags:
    guerra civil, crise, negociações de paz, Muammar Kadhafi, Federica Mogherini, UE, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik