01:09 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    6132
    Nos siga no

    Caso a coalizão independentista catalã Junts pel Sí e o partido Candidatura d´Unitat Popular (CUP) vençam nas eleições, prometem começar o processo da separação da Espanha.

    Os soberanistas catalães não descartam desistir de proclamar a independência por meio do parlamento se "tiverem a oportunidade de realizar um referendo", afirmou o ex-funcionário do Tribunal Constitucional, Carles Viver Pi-Sunyer, durante a apresentação do programa eleitoral e do plano de proclamar a independência pela coalizão Junts pel Sí.

    Em 27 de setembro, na Catalunha vão ser realizadas as eleições que as autoridades da comunidade autônoma, encabeçadas por Artur Mas chamam de "plebiscitárias". No caso da sua vitória, a coalizão Junts pel Sí e a CUP prometem começar o processo de separação da autonomia que consiste em criar institutos nacionais, aprovar a Constituição e proclamar a independência. O governo espanhol não reconhece as eleições como plebiscitárias, insistindo na realização de eleições autonômicas (que só deixarão Catalunha ficar uma comunidade autônoma da Espanha).

    Segundo Pi-Sunyer, o processo de separação só será iniciado somente caso haja um "mandato democrático" ou seja se eles conseguem receber a maioria absoluta no parlamento nas eleições de 27 de setembro.

    Segundo o plano de ganhar independência o processo vai se prolongar até 18 meses. "É a única oportunidade para a Catalunha de sobreviver", frisou Pi-Sunyer, acrescentando que este documento pode ser emendado caso as circunstâncias se alterem.

    A coalizão Junts pel Sí inclui Esquerra Republicana de Catalunya, Convergència Democrática (CDC) de Catalunya (partido do presidente regional Artur Mas), Demòcrates de Catalunya e Moviment d'Esquerres. Além disso, a coalizão é apoiada pelas organizações Assamblea Nacional Catalana (ANC) e Òmnium Cultural.

    A causa soberanista está em voga na Catalunha depois da primeira eleição de Artur Mas, do partido Convergència Democrática de Catalunya. Em novembro de 2014, o seu governo convocou um referendo de independência, que ficou na história como um evento simbólico. Ao contrário do referendo celebrado um pouco antes na Escócia, não foi reconhecido como constitucional. Porém constituiu a escusa para anunciar eleições antecipadas agendadas para 27 de setembro.

    Tags:
    constituição, independência, Artur Mas, Catalunha, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar