22:20 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    12223
    Nos siga no

    David Petraeus, o influente ex-chefe da CIA e ex-comandante das forças americanas no Iraque e Afeganistão, propõe cooperar com os jihadistas do antigo inimigo dos EUA, a al-Qaeda, para derrubar outros jihadistas – do Estado Islâmico, escreve a edição The Daily Beast.

    O jornal diz, alegando quatro fontes, inclusive uma que falou com Petraeus diretamente, que o militar apela aos oficiais americanos para considerarem o uso dos assim chamados membros moderados da Frente al-Nusra, que é a filial da al-Qaeda na Síria, para combater o Estado Islâmico naquele país.  

    A ideia vem da experiência de Petraeus no Iraque quando, no quadro de uma ampla estratégia para  combater os insurgentes islamistas, os EUA persuadiram as milícias sunitas a parar de lutar junto com a al-Qaeda e começar a cooperar com as tropas estadunidenses. 

    A tática deu bom resultado, mas só temporariamente. A al-Qaeda ressuscitou no Iraque como o Estado Islâmico e acabou por se tornar o inimigo jurado da sua organização-parente. Agora Petraeus quer voltar ao seu antigo jogo, defendendo a estratégia de recrutamento de membros da Frente al-Nusra, especialmente os que não partilham o essencial da filosofia islamista da al-Qaeda. 

    Porém, o jogo de Petraeus, se for levado à prática, pode ser imensamente controverso. A luta dos EUA contra o terrorismo começou após o ataque de 9/11 realizado pela al-Qaeda. A ideia que os EUA podiam, 14 anos depois, cooperar com os elementos da filial síria da al-Qaeda é uma ironia que não pode ser encarada pela maioria dos responsáveis americanos contatados pelo The Daily Beast. Eles consideram a iniciativa de Petraeus politicamente tóxica, quase impossível de executar e estrategicamente arriscada.

    A ideia iria também enfrentar sérios obstáculos legais. Assim, em 2012 a administração de Obama designou a Frente al-Nusra como organização terrorista. E, no ano passado, o presidente dos EUA Barack Obama deu ordens de ataques aéreos contra as posições da Frente al-Nusra que acolhiam os membros do Grupo Khorasan, afilado na al-Qaeda  e que tentava recrutar jihadistas com passaportes ocidentais para entrarem em aviões de linhas aéreas civis com bombas. 

    Segundo os que conhecem a opinião de David Petraeus, ele propõe separar os militantes menos radicais da Frente al-Nusra que lutam contra o Estado Islâmico na Síria mas que se juntaram com a Frente al-Nusra por causa do objetivo comum que é a derrubada do presidente sírio Bashar Assad.  

    Porém, não está claro como os EUA pretendem separar os militantes moderados do resto dos membros e dos líderes da organização. Petraeus tem de esclarecer as suas posições em relação a isso.

    “É um reconhecimento de que o objetivo dos EUA de liquidar o Estado Islâmico sofreu um fracasso. Se não fosse, não estávamos a negociar com estes grupos terroristas”, disse Christopher Harmer, especialista em assuntos navais no Instituto dos Estudos da Guerra em Washington, disse ao The Daily Beast. 

    “De ponto de vista estratégico, é desesperado”, acrescentou. 

    A estratégia de Petraeus depende dum leque de hipóteses, primeiramente de a inteligência e os oficiais militares americanos saberem distinguir quem é verdadeiramente moderado dentro da Frente al-Nusra e não partilha o objetivo de substituir o governo de Assad por um governo islamista. 

    Quanto mais extremista se torna o Estado Islâmico, tanto mais moderados parecem os outros grupos radicais. O Estado Islâmico, que filma execuções, organiza sequestros, pratica a escravidão das mulheres e meninas, se tornou tão bárbaro que se isolou dos outros grupos militantes, disse Harmer. 

    “A aliança de conveniência, que era impossível dois anos atrás, é desejável hoje em dia e em certa medida é inevitável porque não pretendemos realizar uma operação militar no terreno”, manifestou o especialista militar.

    Voltando ao caráter perigoso de tais iniciativas como utilizar os jihadistas da al-Qaeda, a Sputnik lembra que, anteriormente, o jornalista Nafeez Ahmed fez uma investigação na qual ele alega um documento da Agência de Inteligência de Defesa (DIA, na sigla em inglês) dos EUA. O referido documento prova que o Pentágono sabia que a estratégia americana de apoio aos grupos extremistas na Síria para derrubar fosse de que maneira fosse o regime do presidente Bashar Assad resultaria no surgimento do Estado Islâmico, mas os EUA não mudaram a estratégia. Por isso, ninguém sabe em que poderá resultar o hipotético apoio à Frente al-Nusra.

    Além disso, o fracasso dos EUA no treinamento da oposição síria moderada e especialmente a teimosa falta de vontade por parte das autoridades americanas de apoiar o presidente legítimo sírio Bashar Assad resulta em tais iniciativas “extravagantes” como a de David Petraeus.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    Tags:
    EUA, Síria, Iraque, David Patraeus, Estado Islâmico, Al-Qaeda, Pentágono, Frente al-Nusra, islamismo, terrorismo, estratégia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar