09:22 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    013
    Nos siga no

    Militantes do Estado Islâmico (EI) executaram mais de 90 pessoas no último mês na Síria, de acordo com organização de monitoramento de direitos humanos.

    "O grupo jihadista Estado Islâmico, ou EI, executou 91 pessoas entre 29 de julho e este sábado (30), em várias províncias sírias… Das 91 vítimas, 32 eram civis, incluindo duas mulheres, 39 combatentes, 11 rebeldes e pelo menos nove soldados", disse o Observatório Sírio de Direitos Humanos em um comunicado no seu site.

    De acordo com a agência de monitoramento de direitos humanos, as pessoas foram executadas por supostamente terem ofendido a religião islâmica, colaborando com organizações estrangeiras e com a coalizão liderada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico, praticando bruxaria e trabalhando para o governo da Síria.

    Em geral, os militantes executaram 3.156 pessoas apenas na Síria.

    O EI é um violento grupo militante extremista religioso, que vem colocando inúmeros territórios sob seu controle no Iraque e Síria desde 2014. O grupo jihadista tem executado várias pessoas nestes países, assim como nos Estados vizinhos. Atualmente uma coalizão internacional liderada pelos EUA tenta, com pouco sucesso, uma contra-ofensiva sobre o grupo.

    Dentre as violações cometidas pelo grupo figuram desde a execução de civis e combatentes em julgamentos sumários, até a destruição de sítios arqueológicos milenares nos territórios conquistados.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Mídia: fronteiras da Suécia estão abertas para militantes do EI
    Paris acolherá conferência sobre minorias perseguidas pelo EI
    Militantes do EI propagam AIDS no leste da Síria
    EI recruta migrantes na Itália preparando 'Califado Cappuccino'
    Tags:
    Síria, Iraque, EI, Observatório Sírio de Direitos Humanos, terrorismo, direitos humanos, execuções
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar