12:16 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    302
    Nos siga no

    Cerca de 33 mil refugiados desembarcaram na ilha grega de Lesbos desde o dia 1º de agosto, revelou nesta terça-feira a Anistia Internacional.

    A Grécia encara, atualmente, uma enorme crise de refugiados, com dezenas de milhares de pessoas buscando asilo vindo de países no norte da África, no Oriente Médio, e do centro e do sul da Ásia — todos buscando ilhas do Mar Egeu na esperança de estabelecer residência na Europa.

    Centenas de refugiados, principalmente vindos de Afeganistão, Iraque e Síria, continuam a desembarcar em Lesbos a cada dia, informou a Anistia Internacional citando a polícia grega.

    As autoridades, por falta de recursos, não conseguem lidar com o grande aumento no número de pessoas chegando à ilha, diz o documento enviado à imprensa.

    "A crise econômica e a crise de refugiados convergem em Lesbos e outras ilhas do Egeu. Esses são refugiados emigrantes que estão dispostos a pagar qualquer preço", informou o vice-diretor do Programa para Europa e Ásia Central da Anistia Internacional, Gauri van Gulik.

    A organização afirma que as condições em que os refugiados estão instalados em Lesbos são "deploráveis", com superpopulação e falta de higiene nos campos de refugiados. O documento enviado pela Anistia Internacional pede que a Europa mude sua maneira de tratar refugiados e critica a ideia de muros, recomendando a construção de pontos de entrada seguros e estruturas para acomodar refugiados com dignidade.

    De acordo com dados da organização, mais de 93 mil migrantes chegaram a Lesbos em 2015, número sete vezes maior do que em 2014. Ao todo, cerca de 160 mil migrantes e refugiados chegaram à Grécia este ano. Em 2014, o número foi de 45.400 pessoas.

    Mais:

    Cerca de 300 mil migrantes chegaram à Europa este ano
    Milhares de imigrantes chegam à Sérvia após passar pela Macedônia
    Tags:
    crise humanitária, refugiados, imigração, migração, Anistia Internacional, Europa, Lesbos, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar