08:04 24 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    2182
    Nos siga no

    Todos estamos no mesmo barco quando se trata do sistema financeiro global. Especialistas entrevistados pela Sputnik para saber quanto tempo e em que ritmos os índices chineses continuarão a cair estão de acordo que uma “reação em cadeia” é inevitável.

    Em 25 de agosto o índice principal da Bolsa de Valores de Xangai, o Shanghai Composite Index, ultrapassou a marca “psicológica” de 3000. No final do dia, as ações perderam mais 7,63% depois da queda na segunda-feira (24) que foi de 8,6% — um recorde desde 2007. 

    Além disso, o Shenzhen Composite Index caiu 7,09%, quase tanto como na segunda-feira. Tal como ontem, a queda influiu sobre principais bolsas de valores asiáticas – do Japão, Singapura, Índia. 

    Yakov Berger, especialista do Instituto do Extremo Oriente, diz que é difícil prever a situação futura porque estão envolvidos muitos fatores econômicos e políticos. O governo utiliza uma parte dos instrumentos para estabilizar o mercado. Por exemplo, é permitido usar dinheiro do Fundo de Pensões, mas isto pode ser insuficiente. 

    Nikita Maslennikov do Instituto russo de Desenvolvimento Contemporâneo está de acordo e falou sobre a possibilidade do Banco Popular da China de influenciar a situação:

    “O banco tem reservas para tais ações. É precisa determinação aqui, mas, na verdade, as autoridades financeiras chinesas são muito limitadas. Temos que entender isso e respeitar aquilo que eles tentam fazer nas circunstâncias tão duras… Nos acontecimentos dos últimos meses nos mercados de Xangai e Shenzhen estão envolvidos dezenas de milhões de chineses”, disse o especialista, destacando que a queda não parará rapidamente porque muitos elementos do sistema financeiro chinês são frágeis e desequilibrados. 

    Poço de petróleo nos arredores da cidade El Tigre, no Cinturão de Orinoco, uma das regiões mais ricas em petróleo no mundo
    © AP Photo / Fernando Llano
    Outro especialista, Aleksandr Salitsky, professor do Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais, considera que é preciso esperar um pouco e não exagerar o impacto chinês sobre a economia global:

    “Na verdade /estas quedas/, são uma coisa habitual que não tocam fortemente a economia chinesa – a produção se desenvolve bastante bem”.

    No entanto, o professor opina que a queda dos índices nas Bolsas de Valores de Xangai e Shenzhen tem origem na globalização financeira:

    “A falha da globalização financeira é que a China, em geral, ‘digerirá’ facilmente os acontecimentos que em outros países podem ser mais dramáticos, pesados e trágicos. Talvez esteja na hora de discutir o assunto nos fóruns, incluindo o G20”.

    As quedas nos mercados financeiros chineses ocorreram quando falta menos de um mês para a visita do líder chinês Xi Jinping aos EUA. Claro que o tema estará na agenda das negociações com o presidente Barack Obama. 

    No entanto, não podemos politizar o assunto e culpar as autoridades chinesas por elas não terem tomado em consideração as recomendações da Casa Branca quanto ao câmbio do yuan. Esta linha já é visível no Ocidente, mas economistas norte-americanos e europeus que estão politizando a matéria se esquecem de que a China nunca pode ser pressionada diretamente e sempre se comporta de acordo com os seus interesses.

    Mais:

    Queda das Bolsas de Valores da China provoca reações em todo o mundo
    Tags:
    finanças, economia, queda, crise econômica, sistema financeiro, bolsa de valores, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar