01:23 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fez um duro discurso contra a Colômbia por conta da situação na fronteira entre os dois países.

    Nicolás Maduro: Venezuela é vítima do modelo paramilitar da direita colombiana

    © REUTERS/ Carlos Garcia Rawlins
    Mundo
    URL curta
    865992

    Em coletiva na noite de segunda-feira (24), o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que manterá a fronteira com a Colômbia fechada e que seu país sofre com o “modelo paramilitar da direita colombiana”.

    “A Venezuela é vítima do fenômeno do paramilitarismo, dos negócios duros das drogas do narcotráfico e é vítima de todos os fenômenos do capitalismo gerados pelo paramilitarismo da direita colombiana. Somos vítimas de um combate que agora reagimos”, disse Maduro.

    O chefe de Estado venezuelano destacou que o ex-presidente colombiano Álvaro Uribe seria o líder do modelo que quer “derrubar o governo revolucionário e a revolução bolivariana”. Ele disse, ainda, que a fronteira permanecerá fechada até que seja restabelecido “um mínimo de convivência, de respeito e de legalidade para a vida e para a economia”.

    Maduro decretou o fechamento dos limites com a Colômbia na quinta-feira (23) em consequência do que classificou de “emboscada” contra três militares da Venezuela feridos quando combatiam o contrabando em San Antonio Del Táchira. O ataque teria partido de grupos paramilitares.

    O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, garantiu que defenderá os interesses de seus cidadãos, mas com “a sabedoria e a prudência da diplomacia”. Ele disse que criou uma comissão para avaliar a situação na fronteira. Na quarta-feira (26), as ministras das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez, e da Colômbia, María Angela Holguín, se reunirão para uma solução para a divisa entre os dois países.

    Tags:
    capitalismo, contrabando, narcotráfico, emboscada, fechamento, fronteira, Revolução Bolivariana, Álvaro Uribe, María Angela Holguín, Delcy Rodríguez, Juan Manuel Santos, Nicolás Maduro, Táchira, Venezuela, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik