08:05 31 Março 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    663
    Nos siga no

    O decreto para a total prontidão do exército da Coreia do Sul foi determinado ainda na semana passada, por isso as ações da Coreia do Norte são medidas de resposta. Quem opina é o pesquisador chefe do Centro de Estudos Coreanos do Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Academia de Ciências da Rússia, Konstantin Asmolov.

    O exército popular coreano recebeu ordens do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un, na manhã desta sexta-feira para que as forças de combates estejam de total prontidão para disparar a ofensiva tática.

    "O decreto para a total prontidão do exército da Coreia do Sul foi dado há cerca de uma semana, por isso não é necessário apresentar a atual notícia como algo repentino do lado da Coreia do Norte. Esta é a fase de um ruim agravamento, que está ligado, por um lado, com o contínuo exercício entre os EUA e a Coreia do Sul, que conta com mais de 50 mil soldados que praticou operações ofensivas no território da Coreia do Norte. Por outro lado, com a crise que começou depois que dois soldados sul-coreanos foram feridos em uma mina na zona desmilitarizada", disse o especialista.

    O homem na Coreia do Sul vê o lançamento de foguetes antinavios norte-coreanos
    © AP Photo / AP Photo/Ahn Young-joon
    Na última quinta-feira, militares sul-coreanos lançaram dezenas de projéteis além da fronteira com a Coreia do Norte, em resposta a supostos ataques do país vizinho. Os norte-coreanos haviam ameaçado anteriormente atacar alto-falantes instalados por Seul próximos à fronteira entre os dois países, os quais transmitem mensagens contra o regime de Pyongyang. 

    A península coreana se encontra tecnicamente em estado de guerram visto que Guerra da Coreia de 1950-1953 terminou com a assinatura de um armistício, e não um tratado de paz. As relações entre a Coreia do Norte e Coreia do Sul deterioram-se drasticamente em 2010, após um submarino norte-coreano ter afundado uma corveta sul-coreana, o ROKS Cheonan, resultando na morte de 46 marinheiros. Ainda em 2010, a Coreia do Norte disparou vários tiros de artilharia contra a ilha de Yeonpyeong, matando dois militares e dois civis sul-coreanos.

     

     

     

     

     

    Mais:

    Mídia: Coreia do Norte prepara lançamentos de mísseis
    Seul afirma que tropas da Coreia do Norte intensificaram movimentação na fronteira
    Coreia do Sul e EUA começam exercícios considerados por Pyongyang uma declaração de guerra
    Coreia do Norte nega envolvimento em explosão de minas terrestres na fronteira com o sul
    Pyongyang promete “ataques sem piedade” em represália a exercícios de EUA e Coreia do Sul
    Tags:
    ameaça militar, fronteira, Kim Jong-un, Coreia do Sul, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar