00:43 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Páginas do Corão rasgadas

    Confronto entre polícia e refugiados deixa 17 feridos na Alemanha

    © AFP 2017/ MICHAEL REICHEL
    Mundo
    URL curta
    632

    Pelo menos 17 pessoas ficaram feridas após um grande confronto entre refugiados e agentes de polícia na cidade alemã de Suhl, na Turíngia, na noite da última quarta-feira.

    O caso provocou grande indignação entre as autoridades, levando um sindicado de policiais a apresentar uma reclamação contra a inércia dos políticos alemães diante do fluxo sem precedentes de imigrantes no país. 

    Segundo um porta-voz do departamento de polícia local, um homem de origem afegã, habitante de um abrigo superlotado da cidade, teria começado o tumulto ao rasgar algumas páginas do livro sagrado dos muçulmanos, o Corão, provocando a fúria de dezenas de outros residentes, principalmente sírios. A fim de escapar de seus agressores em potencial, o suposto afegão tentou se esconder na sala da equipe de segurança do prédio, que decidiu chamar as autoridades para controlar a situação.  

    Pouco depois da chegada da polícia, a situação, ao invés de se acalmar, se transformou em um conflito generalizado entre policiais e dezenas de refugiados armados com barras de ferro e pedras. De acordo com testemunhas, o incidente durou várias horas, e terminou com 17 feridos e algumas viaturas destruídas.

    Revoltado com a situação, um sindicato de polícia alemão exigiu a adoção de medidas de urgência para responder ao aumento no número de imigrantes no país, onde mais de 800 mil estrangeiros já entraram com pedido de asilo só em 2015. 

    Mais:

    Comissário europeu: Mundo enfrenta a pior crise de refugiados desde a II Guerra Mundial
    Em meio à crise, número de refugiados na Grécia sobe 750%
    Número de refugiados e imigrantes chegando à Europa aumentou 80%
    Alemanha quer compartilhar refugiados com o resto da Europa
    Tags:
    Corão, conflitos, refugiados, Turíngia, Síria, Afeganistão, Suhl, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik