17:05 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Imigrantes na cidade de Calais, no norte da França.

    França e Grã-Bretanha fecham acordo para combater imigração ilegal

    © REUTERS/ Regis Duvignau
    Mundo
    URL curta
    115

    França e Reino Unido assinaram um acordo nesta quinta-feira (20) para combater a imigração ilegal. A informação foi divulgada pela rede de televisão BFMTV.

    O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, e sua colega britânica, Theresa May, assinaram o documento durante uma reunião na cidade de Calais, norte da França.

    O texto prevê a criação de um centro comum cuja missão principal será identificar membros do crime organizado e impedir que os imigrantes se mudem para a Grã-Bretanha através do norte da França, pelo Canal da Mancha.

    Os dois países também planejam abrir um posto de controle unificado na estação ferroviária de Calais.

    Segundo o documento, a Grã-Bretanha destinará outros 10 milhões de euros em um período de dois anos para frear o fluxo de imigrantes e reforçar as medidas de segurança na cidade de Calais.

    Depois de visitar Calais, o ministro francês viajará a Berlim para discutir com a política de imigração na Europa com o seu colega alemão, Thomas de Maizière.

    Calais hoje abriga mais de 3mil imigrantes, principalmente da Eritreia, Sudão e Somália, tentando por todos os meios cruzar o Canal Inglês para chegar à Grã-Bretanha, atraídos pela possibilidade de receber abrigo e pagamento de um subsídio.   

    Ultimamente tem havido tentativas de entrar ilegalmente no Reino Unido através desta via, gerando ao menos dez mortes de imigrantes desde junho.   

     

    Mais:

    60 imigrantes estão desaparecidos no Mediterrâneo
    Mais de 1,5 mil imigrantes foram socorridos nesta segunda-feira no Mediterrâneo
    Comissão Europeia: 600 milhões de euros para França e Grã-Bretanha combaterem imigração
    Imigração divide líderes da UE em reunião
    Hungria suspende regulamento de imigração da União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik