18:36 15 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    118
    Nos siga no

    Grécia concordou em vender as operações de 14 aeroportos regionais a empresa alemã Fraport. O acordo de 1,23 bilhões de euros (US$ 1,37 bilhões) é o primeiro de uma onda de privatizações que o governo terá de fazer pelos empréstimos de resgate.

    Bandeira da Grécia ao lado da deusa Atena
    © REUTERS / Alkis Konstantinidis
    Inicialmente, o primeiro-ministro Alexis Tsipras havia prometido cancelar o programa de privatizações do país, mas o governo foi forçado a voltar atrás para poder fechar um acordo com os credores gregos e conseguir um pacote de resgate de 86 bilhões de euros, evitando o calote e uma possível expulsão da União Europeia. 

    O governo também relaxou as restrições bancárias, permitindo que os gregos enviem até 500 euros mensais ao exterior a até 8 mil euros trimestrais a estudantes gregos que estejam realizando estudos em outros países. Também será possível a abertura de contas bancárias sem direito a retiradas com a finalidade de pagar empréstimos. 

    Nesta terça-feira, a agência de classificação de risco Fitch elevou o rating em escala global da Grécia de CC para CCC. Segundo a agência, a elevação ocorreu porque o acordo entre a Grécia e os credores internacionais, formalizado em 14 de agosto reduziu o risco de calote por parte de Atenas.

    Apesar disso, a agência pondera que a relação entre a Grécia e seus credores se mantém delicada e que a situação política interna ainda é "imprevisível".

    Sendo assim, a Fitch aposta em um colapso na coalizão de sustentação do governo, liderada pelo esquerdista Syriza, abrindo o precedente para a realização de eleições "antes do final do ano"

    Tags:
    Fitch, Alexis Tsipras, União Europeia, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar