02:49 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Mariano Rajoy, presidente do governo da Espanha

    Catalunha pode proclamar independência sem avisar Espanha

    © AFP 2018/ CRISTINA QUICLER
    Mundo
    URL curta
    1153

    Segundo Jordi Sánchez, presidente da Assembleia Nacional Catalana (ANC), um dos partidos que defendem a independência desta comunidade autônoma espanhola, o governo regional pode aprovar uma Declaração Unilateral de Independência mesmo sem pactuar um referendo com o governo central.

    A declaração foi feita por Sánchez no domingo, quando ele concedeu uma entrevista à Catalunya Ràdio. Acrescentou que, caso as eleições de 27 de Setembro sejam ganhas pelos independentistas, o parlamento regional deverá manter as negociações com Madri sobre o referendo.

    É no caso de ausência de um acordo que a Catalunha poderá lançar mão da opção de proclamação unilateral de independência.

    O presidente da ANC insiste que um resultado das eleições positivo para a causa soberanista servirá como justificativa merecida para tal declaração. Contudo, reiterou que a declaração de independência não irá ser feita imediatamente depois das eleições. 

    "Provavelmente não será nos próximos meses, mas, se houver uma maioria independentista, o caminho será esse, não tenham dúvida", frisou.

    Já Joan Josep Nuet, da coalizão Catalunya Sí que es Pot (Catalunha Sim Pode), já reagiu dizendo que o bloco não apoiaria tal declaração unilateral, nem aceitaria Artur Mas (presidente atual da comunidade autônoma) ou algum outro membro do partido Convergència Democrática de Catalunya (CDC) como presidente.

    Por sua parte, o candidato do Partido Popular de Catalunya (PPC), Xavier García Albiol, disse, citado pelo jornal El Periòdico de Catalunya, que o principal bloco independentista catalão, Junts pel Sí (Juntos pelo Sim), "insulta os catalães" ao não revelar a hierarquia do bloco no caso da sua vitória.

    A coalizão Junts pel Sí foi criada em meados de julho para consolidar os esforços políticos do governo (CDC) e da oposição (Esquerra Republicana de Catalunya, ERC, partido liderado por Oriol Junqueras), ambos de tendência independentista.

    Artur Mas, presidente do governo da comunidade autônoma de Catalunha
    © AFP 2018/ QUIQUE GARCIA
    Artur Mas, presidente do governo da comunidade autônoma de Catalunha

    A Junts pel Sí atua como uma lista de candidatos, tendo como prioridade a independência da Catalunha.

    No final de semana, fontes locais informaram que em 2012, a Catalunha contribuía mais para a União Europeia do que a França.

    Em 27 de setembro, a Catalunha celebrará as eleições antecipadas, anunciadas ainda no ano passado, depois do referendo independentista. Este foi qualificado como inconstitucional pelo governo espanhol, presidido pelo Mariano Rajoy, do conservador Partido Popular (PP).

    Mais:

    Independência da Catalunha: o que Madri pode (ou não) fazer, e como o Brasil deveria agir
    Nenhum tribunal espanhol impedirá independência da Catalunha, dizem independentistas
    Deputado propõe eleições sem partidos políticos na Catalunha
    Catalunha reforça causa da independência
    Espanha: centro-direita e esquerda unem-se para procurar independência da Catalunha
    Tags:
    independência, eleições, Esquerra Republicana de Catalunya (ERC), Convergència Democrática de Catalunya (CDC), Oriol Junqueras, Artur Mas, Mariano Rajoy, Catalunha, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik