11:05 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Ilhas Curilas

    Oficiais russos continuam visita às Curilas apesar de protestos do Japão

    © Sputnik/ Sergey Krasnouhov
    Mundo
    URL curta
    12491333

    Oficiais russos continuarão as visitas de trabalho às Ilhas Curilas mesmo com os protestos do Japão, que são infundados e inaceitáveis, declarou o Ministério de Relações Exteriores da Rússia nesta sexta-feira.

    Na quinta-feira,o governo do Japão apresentou um protesto formal à Embaixada russa por causa da visita de um oficial sênior do país a Iturup, uma das Curilas.

    "Gostaríamos de reiterar que Moscou não levará em conta a posição de Tóquio ao determinar a agenda de trabalho de oficiais do governo. Essas viagens… vão continuar", diz o Ministério em comunicado.

    O Ministério ressaltou que ao insistir nas alegações infundadas de que tem direito às quatro ilhas Curilas, o Japão "demonstra seu flagrante desrespeito pelo resultado comumente aceito da Segunda Guerra Mundial."

    As Ilhas Curilas, localizadas no Mar de Okhotsk, há muito tempo são tema de disputa entre Rússia e Japão. O Japão alega direito às quatro ilhas do arquipélago — Iturup, Kunashir, Shikotan e Khabomai — baseando-se no Tratado Bilateral de Comércio e Fronteiras que assinou com a Rússia em 1855.

    Moscou, por sua vez, sustenta que após a Segunda Guerra Mundial, esses territórios foram passados à União Soviética por conta de vários acordos internacionais. Tóquio condicionou a assinatura do tratado de paz com Moscou à devolução dessas ilhas, mas a Rússia assumiu a soberania dos territórios como sucessora legítima da União Soviética e se nega a revisar a questão.

    Mais:

    Opinião: desculpas do Japão pela Segunda Guerra Mundial são insuficientes
    Japão mostra interesse em solucionar disputas territoriais com a Rússia
    Japão religa reator nuclear pela primeira vez desde Fukushima e recebe protestos
    Tags:
    disputa territorial, protestos, visita oficial, Ministerio das Relacoes Exteriores (Russia), ilhas Curilhas, Japão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik