20:11 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Milícias peshmerga atacam posições do Estado Islâmico com fogo de artilharia, em junho de 2015

    Estado Islâmico fabrica armas químicas caseiras

    © AFP 2017/ MARWAN IBRAHIM
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    0 103414

    Nesta sexta-feira, combatentes curdos confirmaram o uso de armas químicas contra eles.

    As armas químicas usadas contra os militantes curdos, que combatem o Estado Islâmico na Síria e no Iraque, foram produzidas pelo próprio Estado Islâmico com materiais disponíveis, declarou à Sputnik Malik Illahi, porta-voz da Organização pela Proibição das Armas Químicas (OPAQ):

    “Com a maior probabilidade, deve ser do seu próprio fabrico. Eu não acho que eles tinham acesso a um armazém. De certo modo, fazer armas químicas cruas é perfeitamente possível. Outra possibilidade é que eles podem usar – e já houve alegações sobre isso – substâncias químicas industriais comuns <…> facilmente disponíveis no mundo inteiro”.

    De acordo com a OPAQ, cerca de 98% das substâncias químicas agressivas que podiam ser usadas para fabricação de armas que a Síria possuía foram eliminadas após serem retiradas do país na sequência de um ataque a sarin de 2013, perto de Damasco.

    Já o cientista político francês Jean-Michel Vernochet nota que os curdos estão entre dois fogos: de um lado, há o Estado Islâmico, e do outro, há as forças turcas, que consideram os curdos como o seu alvo principal.

    "Todo este barulho sobre as armas químicas pode significar uma tentativa de ocultar a natureza verdadeira dos combates e o seu objetivo de verdade".

    Os EUA, França e Iraque estão investigando os ataques

    Durante a semana em curso, tem surgido informações sobre o possível uso de armas químicas pelas forças do Estado Islâmico, organização terrorista proibida na Rússia e em outros países, contra os militantes peshmerga (destacamentos dos curdos iraquianos). Os curdos iraquianos confirmam que houve tais ataques, mas guardam certo otimismo, considerando o uso das armas químicas uma medida tão extrema que só pode implicar fracasso das forças.

    Os curdos, que combatem o Estado Islâmico, não fazem parte da coalizão oficial, liderada pelos EUA e outros países do Ocidente. A Turquia, que recentemente fez parte da coalizão, após um ataque terrorista no seu solo, declarou que não considera os curdos como seus aliados, por causa de um conflito entre o governo atual e o Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK), braço armado do movimento curdo.

    Os curdos são uma minoria étnica no Iraque, Síria e Turquia.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Uso de armas químicas pelo EI será pretexto para os EUA intensificarem ataques?
    EUA: Estado Islâmico pode ter usado armas químicas contra forças curdas no Iraque
    Após ataque em Bagdá, Putin reafirma apoio ao Iraque contra o terrorismo
    Irã tenta persuadir Turquia a unir esforços no combate ao terrorismo
    ONU aprova resolução pra investigar uso de armas químicas na Síria
    Tags:
    armas químicas, terrorismo, Estado Islâmico, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik