21:34 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama e Vladimir Putin

    EUA prontos para destruir a Europa a fim de derrotar a Rússia, diz historiador americano

    © AFP 2017/ JEWEL SAMAD
    Mundo
    URL curta
    3747091230

    Para enfraquecer a Rússia, os EUA estão prontos para usar de quaisquer meios e lutar até o último suspiro, escreveu o historiador norte-americano Eric Suess. Segundo ele, Washington não leva em conta os interesses de seus aliados e está pronta para aceitar os danos infligidos sobre eles.

    O fato de as sanções antirrussas prejudicarem a economia europeia e de Bruxelas estar lutando para resolver a enorme crise atual de refugiados é bastante aceitável para os estrategistas norte-americanos, disse Suess, citado pela agência alemã DWN.

    De acordo com ele, a fim de enfraquecer a Rússia, o presidente dos EUA, Barack Obama, tem seguido uma política de desestabilização na Líbia, na Síria, na Ucrânia e em outros países, a qual afetou negativamente os Estados europeus.

    Antes das missões de bombardeio dos EUA na Líbia em 2011, a população do país vivia em paz e prosperidade, argumentou o historiador. Mas, agora, o país africano tornou-se o maior problema da Europa. Milhões de líbios estão fugindo do caos no país para procurar asilo em campos de refugiados no sul da Itália, bem como em outros lugares da Europa.

    Ainda segundo Suess, a Síria é outra nação que está sendo destruída pelos EUA, em um esforço para abalar a Rússia. A missão norte-americana de bombardeios na Síria, de acordo com ele, tem o objetivo de derrubar o presidente Bashar Assad, aliado de Moscou, e substituir seu governo secular por um de caráter islâmico. 

    Assim, para o historiador, retórica "Anti-Estado Islâmico" é apenas uma maneira de disfarçar o real objetivo de Washington, que seria o de expandir o “império norte-americano”. Em outras palavras, segundo Suess, trata-se apenas de um show para a opinião pública, que claramente está mais ansiosa para lutar contra o grupo terrorista do que contra um país distante como a Rússia.

    De forma semelhante, os EUA desempenharam um papel importante no golpe de Estado que derrubou o presidente Viktor Yanukovich na Ucrânia, em fevereiro de 2014. A diferença é que, daquela vez, a manobra foi feita sob o pretexto de manifestações democráticas, afirmou Suess.

    De acordo com o estudioso, o principal objetivo da política destrutiva de Obama é “derrotar” a Rússia, para forçar uma "mudança de regime" no país e torná-lo parte do “império norte-americano”. Basicamente, segundo Suess, os EUA querem que a Rússia perca seu estatuto de potência mundial que se opõe ao controle de Washington.

    Mais:

    EUA: Estado Islâmico pode ter usado armas químicas contra forças curdas no Iraque
    Premiê do governo líbio apoiado pelos EUA e pela Europa renuncia pela TV
    Jornal chinês acusa revista dos EUA de criar desavenças entre a China e seus vizinhos
    EUA e seus aliados: desconfiança mútua
    Oficial confirma que EUA não fizeram nada para evitar criação do Estado Islâmico
    Opinião: EUA se preparam para “guerras das estrelas” contra Rússia e China
    Vice-premiê russo: bombas ajudam EUA a fazer aliados
    Tags:
    império, crise migratória, potência, golpe de Estado, imperialismo, imigrantes, política, refugiados, guerra, economia, terrorismo, sanções, DWN, Estado Islâmico, Eric Suess, Viktor Yanukovich, Barack Obama, Vladimir Putin, Estados Unidos, Mar Mediterrâneo, Líbia, União Europeia, Síria, Moscou, EUA, Ucrânia, Washington, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik