23:30 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Militantes do Estado Islâmico em Fallujah, no Iraque

    EUA: Estado Islâmico pode ter usado armas químicas contra forças curdas no Iraque

    © AP Photo/ File
    Mundo
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    0 34803

    Autoridades norte-americanas informaram nesta quinta-feira que os Estados Unidos estão investigando o uso de armas químicas pelo Estado Islâmico (EI) contra forças curdas no norte do Iraque.

    "Estamos acompanhando de perto os relatos", disse Alistair Baskey, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca. "A utilização de produtos químicos ou material biológico como armamento é completamente incompatível com os padrões e normas internacionais em relação a tais recursos", completou.

    De acordo com oficiais curdos, soldados foram atacados na quarta-feira perto da cidade de Makhmor, nas proximidades de Irbil. O exército alemão está treinando os curdos na região e, segundo o ministro de Defesa da Alemanha, cerca de 60 homens apresentaram dificuldades respiratórias após o ataque — o que sinalizaria o uso de produtos químicos.

    A confirmação do uso de armamento químico pelo EI marcaria uma virada dramática no esforço dos EUA em derrotar o grupo extremista no Iraque e na Síria. Embora a coalizão formada pelos norte-americanos e seus aliados esteja planejando ataques aéreos, o grupo conta com as forças locais para conter o avanço do Estado Islâmico em terra.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)

    Mais:

    Premier do Iraque critica irresponsabilidade do chefe do Estado-Maior do Exército dos EUA
    Lavrov: a prioridade é combater o Estado Islâmico, acertar contas é para depois
    Oficial confirma que EUA não fizeram nada para evitar criação do Estado Islâmico
    Estado Islâmico executou mais de 2 mil pessoas na cidade iraquiana de Mossul
    Tags:
    armas químicas, Unidades de Proteção do Povo Curdo, Estado Islâmico, Alistair Baskey, Síria, Alemanha, EUA, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik