22:11 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    317
    Nos siga no

    Mais de quatro em cada dez norte-americanos acreditam que o acordo sobre o programa nuclear iraniano, assinado em julho pelo grupo do P5+1, foi mais benéfico para o próprio Irã do que para os Estados Unidos, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira.

    No levantamento, realizado pela Monmouth University, 41% dos cidadãos entrevistados disseram que Teerã teve mais exigências atendidas do que Washington, enquanto apenas 14% afirmaram o contrário. 

    Entre os eleitores do Partido Republicano, o acordo conseguido no último dia 14 por EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha junto ao Irã foi recebido com ainda mais desconfiança. Cerca de 70% avaliaram o documento como mais favorável à República Islâmica, enquanto 39% dos democratas julgaram o acordo interessante para os dois lados. 

    O Congresso norte-americano, controlado pelos republicanos, tem até o dia 17 de setembro para decidir se rejeitará o acordo do P5+1, que estabelece o fornecimento de garantias sobre a natureza pacífica do programa nuclear iraniano em troca do levantamento das sanções ocidentais. Mas, caso os parlamentares não aprovem o documento, o presidente Barack Obama ainda poderá vetar essa decisão, desde que ela não tenha o apoio de, pelo menos, dois terços dos deputados e dois senadores. 

    Para 27% da população norte-americana consultada, o parlamento deve aprovar o acordo, ao passo que 32% defendem que o mesmo seja rejeitado. No entanto, independente do resultado dessa votação, segundo a Monmouth University, a maioria dos entrevistados (61%) não acredita que o Irã cumprirá a sua parte no acordo. 

    Mais:

    Conselho de Segurança aprova por unanimidade resolução sobre programa nuclear iraniano
    Barack Obama: A alternativa ao acordo nuclear com o Irã é a guerra
    Teerã: Irã não deixará os EUA se intrometerem em seus assuntos internos
    Tags:
    programa nuclear, P5+1, Monmouth University, Barack Obama, Teerã, Washington, Reino Unido, Alemanha, França, China, Rússia, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar