00:47 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    1011
    Nos siga no

    Uma corte militar israelense rejeitou nesta segunda-feira o pedido de fiança para a soltura da deputada palestina Khalida Jarrar, segundo informou o grupo de defesa dos direitos humanos Addameer.

    Conhecida por seu posicionamento feminista e por suas atividades pró-democracia, a premiada ativista de esquerda foi detida em abril deste ano por "incitar à violência e ao terrorismo", de acordo com as autoridades de Israel, que citaram também o fato de Jarrar pertencer à Frente Popular para a Libertação da Palestina, considerada uma organização terrorista por Tel Aviv. Mas as circunstâncias de sua prisão continuam sendo amplamente questionadas, dentro e fora do país. 

    "Ela foi presa por suas opiniões. É uma detenção política", declarou o seu marido, Ghassan Jarrar, em conversa com jornalistas que aguardavam o parecer do juiz israelense. 

    Conforme a decisão do tribunal militar, a acusação terá duas semanas para apresentar suas testemunhas no caso contra a deputada. E uma nova audiência deverá ser realizada daqui a dois meses, em 24 de outubro. 

    Mais:

    Rússia apoia restauração da unidade nacional palestina
    Israel e Palestina discutirão processo de paz sem informar os EUA
    Brasileiro preso na Palestina foi libertado e está escondido
    Palestina entrega ao tribunal evidências de crimes de Israel na guerra em Gaza
    Tags:
    Israel, Oriente Médio, Palestina, Tel Aviv, Khalida Jarrar, Ghassan Jarrar, FPLP, terrorismo, prisão, ativista, detenção
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar