06:01 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Território de Essequibo - área sob disputa entre Guiana e Venezuela

    Especialista: EUA protegem a Guiana contra direitos da Venezuela sobre Essequibo

    Telesur
    Mundo
    URL curta
    82162612

    A União de Nações Sul-Americanas (Unasul) vai realizar este mês uma reunião extraordinária para tentar mediar um entendimento na crise entre a Venezuela e a Guiana pela disputa de fronteiras sobre o território de 160 mil km2 de Essequibo. O especialista Rafael Araújo comenta a contenda, com exclusividade para a Sputnik Brasil.

    A medida foi tomada após pedido do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que em 30 de julho apresentou à Junta Diretora do Parlatino, no Panamá, seu pleito sobre aquela região contestada.

    O conflito entre os dois países, que começou há mais de um século, ficou ainda mais acirrado em maio deste ano, após a empresa petrolífera Exxon-Mobil ter anunciado a descoberta de uma grande reserva de petróleo na costa marítima de Essequibo, o que fez com que o presidente da Venezuela baixasse um decreto determinando que toda a área pertence a seu país, mesmo que atualmente o território esteja sob o domínio da Guiana.

    Segundo Rafael Araújo, professor de História e Relações Internacionais das Instituições Unilasalle e da Universidade Rural do Rio de Janeiro, quando a Guiana entregou a exploração da região para a Exxon-Mobil tinha como objetivo que a petrolífera desenvolvesse a economia do país. Mas o Tratado de Genebra, assinado em 1966, determina que uma área de contestação entre dois países não pode ser explorada.

    “A Venezuela, de certa forma e com toda a razão, questiona a exploração pela Exxon-Mobil da região de Essequibo, e contesta o fato de o Governo da Guiana ter atropelado os acordos internacionais e os interesses venezuelanos da região, cedendo a exploração do território”, explica o Professor Araújo.

    Para o especialista, a reunião na Unasul vem com o objetivo de buscar uma solução entre Guiana e Venezuela, em que o Governo venezuelano apresentou uma proposta formal no sentido de criar uma comissão binacional para negociar sobre o que pode ser feito com Essequibo.

    Rafael Araújo explica que, em meio ao conflito, os Estados Unidos entraram como um dos protetores da Guiana. “A Guiana tem dois grandes aliados nessa questão – a Inglaterra e, sobretudo, os Estados Unidos. Por isso, até essa postura da Guiana de não respeitar o acordo de Genebra, de enfrentar o Governo de Nicolás Maduro, vem nesse sentido. Ela sabe que por trás dela existem dois gigantes que estão ali para protegê-la e de certa forma para legitimar suas ações.”

    O especialista ressalta que no caso norte-americano fica muito claro o interesse da indústria petroleira estadunidense. “Não é à toa que a Exxon-Mobil está com o direito da exploração do petróleo da região de Essequibo, e isso vem justamente atender os interesses da indústria do petróleo americana. Eu particularmente não vejo outra razão dessas manobras que foram feitas pela Guiana com o apoio dos EUA no sentido de explorar a região de Essequibo, num momento em que de certa forma existe uma demanda não só estadunidense, mas mundial por petróleo.”      

    O professor de Relações Internacionais não vê um favorito em relação à soberania de Essequibo. “Eu acho que revogar um tratado assinado há muito tempo é praticamente impossível. A Guiana não vai querer abrir mão de Essequibo, que considera parte substantiva de seu território. A Venezuela argumenta que o acordo foi assinado por juristas ingleses, representando a Venezuela – não foram os juristas venezuelanos. Por isso é que de certa forma a proposta de uma comissão binacional para sinalizar o que pode ser feito é uma saída, que busca estabelecer uma negociação entre a Venezuela e a Guiana.”

    Tags:
    ExxonMobil, Unasul, Rafael Araújo, Nicolás Maduro, Essequibo, Guiana, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik