11:45 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Hiroshima depois da bomba atômica

    Revista estadunidense: Combate a ocupação fantasma justifica milhares de mortes

    © flickr.com/ Maarten Heerlien
    Mundo
    URL curta
    212395828

    Um dia antes do 70º aniversário do bombardeio nuclear de Hiroshima, a revista estadunidense Foreign Policy veio com um artigo que parece justificar a morte de milhares de pessoas.

    As mortes causadas pelas explosões nucleares em Hiroshima e Nagasaki, em 6 e 9 de agosto, respectivamente, somam mais de 246 mil pessoas. Isso, sem contar as mortes posteriores, causadas pelas lesões e pela exposição prolongada à radiação.

    No entanto, para um autor da revista Foreign Policy, a bomba norte-americana em Hiroshima foi um dos primeiros passos para libertar o Japão da ameaça da ocupação soviética. No seu artigo de 5 de agosto, intitulado “Será que Hiroshima salvou o Japão da ocupação soviética?”, ele descreve um suposto plano das Forças Armadas da URSS, alegadamente apoiado por Josef Stalin, de capturar Hokkaido, segunda maior ilha do Japão.

    Segundo este autor, o fato de os EUA terem mostrado a sua força com os bombardeios pacíficos, fez Stalin recuar. Como resultado, escreve, “a história do Japão fez uma virada diferente da que teve a história da Coreia. Os japoneses não tiveram que sofrer as delícias da ocupação soviética”.

    Esta última, a ocupação, não é descrita. De modo que a Foreign Policy, uma revista de renome e qualidade reconhecida, publica um artigo cujo autor insiste que foi melhor para o Japão ficar com centenas de milhares de mortes imediatas, milhares de mortes ao longo dos anos, por causa da exposição à radiação, e zonas de exclusão por contaminação radiativa, — do que ficar exposto à possibilidade de ocupação.

    Centenas de milhares de mortos vs. perigo de ocupação.

    Aliás, quem tem uma base militar no território japonês são os EUA, na ilha de Okinawa. Apareceu ali logo depois do fim da Segunda Guerra Mundial. Falar em ocupação estrangeira depois disso?

    Recentemente, ganharam força no Japão manifestações a favor da retirada do contingente militar estadunidense dessa base.

    O protesto contra esta base, que os moradores da ilha e província de Okinawa consideram obsoleta, ressuscita o discurso sobre o exército japonês. O Japão não tem Forças Armadas, que são proibidas pela Constituição, como punição pelo militarismo exercido pelo país na época da Segunda Guerra Mundial. Já em função da tensão atual no mar do Sul da China, onde o Japão tem seu interesse – os EUA encorajam-no a emendar a lei principal, instituindo um Exército.

    O Memorial da Paz de Hiroshima após o bombardeio de 6 de agosto de 1945 e hoje.
    © REUTERS/ Masami Oki/Hiroshima Peace Memorial Museum/Issei Kato
    No artigo 9 da Constituição, o Japão “renuncia para sempre à guerra como um direito soberano da Nação e a ameaça ou uso da força como meio de resolução dos litígios internacionais” e estabelece que “não serão mantidas forças terrestres, marítimas e aéreas, bem como qualquer outra força militar”.

    Os EUA, que têm bases militares no Japão e em outros lugares da região, empurram Tóquio à ampliação do poder das suas forças de autodefesa para atuarem como aliados.

    Little Boy

    Arquivos fotográficos mostram a alegria dos comandantes do exército estadunidense ao receber a notícia do lançamento da bomba Little Boy (Pirralho, na tradução livre), do avião Enola Gay. Os pilotos do bombardeiro foram condecorados com medalhas. E Harry Truman, presidente dos EUA na altura, brindou por esta vitória.

    E mais do que isso, os EUA ainda não apresentaram as suas desculpas ao Japão. O assunto continua gerando tensão nas relações bilaterais entre os dois países.

    Sem razão

    Contatada pela Sputnik, Helga Zepp LaRouche, do Instituto Schiller em Washington, assegurou que não houve nenhuma justificação para tal bombardeio:

    "Historicamente foi determinado há muito tempo que não tinha razões para o bombardeamento porque naquele momento já começaram as negociações de paz entre o imperador [do Japão, Hirohito] e o Vaticano. Por isso o argumento em favor de que isso foi feito para salvar as vidas de solados americanos é uma fraude. O bombardeio nuclear foi efetuado para criar a aura de horror, foi um gesto de inauguração da era pós-guerra em prol de continuação de reino de colonialismo e capitalismo…"

    Mais:

    Sombras da guerra: passado e presente de Hiroshima e Nagasaki
    A maioria dos norte-americanos aprova bombas atômicas contra Hiroshima e Nagasaki
    Japoneses esperam que EUA se desculpem pelo bombardeio de Hiroshima e Nagasaki
    Tags:
    Segunda Guerra Mundial, bomba atômica, armas nucleares, Josef Stalin, Harry Truman, URSS, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik