06:05 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    De acordo com a agência TT, diversos cidadãos suecos, incluindo representantes de grupos extremistas da direita, viajaram para a Ucrânia para combater ao lado das tropas de Kiev em Donetsk e Lugansk

    Cidadão da Suécia é investigado por crimes de guerra cometidos na Ucrânia

    © AFP 2017/ GENYA SAVILOV
    Mundo
    URL curta
    0 703110

    A justiça da Suécia abriu uma investigação para apurar a possível participação de um habitante do país em supostos crimes de guerra cometidos na Ucrânia, durante conflitos contra separatistas da região de Donbass, segundo informou a Promotoria Pública de Estocolmo nesta quinta-feira.

    Polícia tenta impedir extremistas de direita de atacar manifestantes antinazistas no subúrbio de Karrtorp, em Estocolmo, em 15 de dezembro de 2013
    © AFP 2017/ HAMPUS ANDERSSON / TT NEWS AGENC
    "Eu posso confirmar que há uma investigação aberta contra um habitante da Suécia. Ela está relacionada a suspeitas de (participação em) crimes de guerra cometidos na Ucrânia em 2014", declarou a promotora Tora Holst em entrevista à agência de notícias sueca Tidningarnas Telegrambyrå (TT). 

    "Essa investigação pode durar um longo tempo até que a pessoa em questão seja informada sobre as suspeitas. Se a pessoa for interrogada como um suspeito e quiser um advogado, ela terá um, é claro", acrescentou Holst. 

    De acordo com a agência TT, diversos cidadãos suecos, incluindo representantes de grupos extremistas da direita, viajaram para a Ucrânia para combater ao lado das tropas de Kiev em Donetsk e Lugansk desde o início dos conflitos, em abril do ano passado. 

    Mais:

    Breivik 2.0 está preso na Suécia enquanto Noruega inaugura ‘museu’ do próprio criminoso
    Suécia: Paraíso para terroristas do Estado Islâmico
    Duas pessoas morrem e oito são feridas em restaurante na Suécia
    Tags:
    Tidningarnas Telegrambyrå (TT), Tora Holst, Estocolmo, Lugansk, Donetsk, Donbass, Ucrânia, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik