06:05 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Mistral em Saint Nazaire. Foto de arquivo

    França fica sem dinheiro e com navios que não poderá usar

    © AFP 2017/ Jean-Sebastien Evrard
    Mundo
    URL curta
    243503571

    Para políticos franceses, a do Mistral é uma história “escandalosa”.

    Nesta quinta-feira, a França finalmente devolveu à Rússia o montante do pagamento preliminar pelos navios porta-helicópteros Mistral, que Moscou tinha se comprometido a comprar no ano passado. Mesmo assim, quase um ano de recusas e vacilações fazem do assunto uma “história escandalosa”, acredita Yvan Blot, ex-deputado do Parlamento Europeu e antigo conselheiro do ex-presidente francês Nicolas Sarkozy.

    “É uma história escandalosa. Primeiro, a França, como Estado, está passando por sérias dificuldades financeiras. Pagar 1,2 bilhões de euros à Rússia por não ter fornecido dois navios é pouco oportuno agora. Segundo, é um duro golpe contra a nossa reputação internacional. A França sempre atuou como um significante vendedor de armamentos. E muitos países hoje podem pensar se realmente adianta comprar algo da França. É um grande erro do ponto de vista econômico”, disse Blot à Sputnik.

    O ex-conselheiro presidencial acredita que o presidente atual, do Partido Socialista, fez uma escolha errada. Estava com duas opções – continuar com o contrato russo, entregando os dois navios e ficando com a totalidade do dinheiro previsto pelo contrato. Ou cessar de cumprir as obrigações previstas pelo contrato para atender à exigência dos EUA que culpam a Rússia pelo conflito na Ucrânia.

    “Uma escolha incomum para um socialista a de M. Hollande”, acha Blot. “A América não irá salvar-nos das dificuldades econômicas. Mas agora, os EUA se sentem à vontade dando ordens à França, especialmente vista a relação íntima com o Partido Socialista que originou logo depois da Segunda Guerra Mundial, sob o pano de fundo anticomunista”, adverte.

    Um pagamento às escondidas
    © Sputnik/
    Um pagamento às escondidas

    Não só os EUA, porém: o político cita também a Alemanha, afirmando que a França está dependente do país vizinho, “por isso as relações da França com a Rússia dependem das relações da Alemanha com a Rússia”. 

    A presidente do partido Frente Nacional, terceiro maior partido da França, Marine Le Pen, coincidiu com Blot em um comunicado:

    “O fim oficial do contrato dos porta-helicópteros Mistral é um erro sério de François Hollande e causa um prejuízo sério à reputação da França”, disse Le Pen. 

    Agora, a França ficou com dois navios com os quais gastou uma fortuna e os quais não poderá implantar na sua Marinha. Entre os países que poderiam comprá-los, salvando Paris, já foram listados o Canadá e até mesmo o Brasil. O último desmentiu oficialmente tal possibilidade.

    Mais:

    Putin e Hollande chegam a acordo sobre rescisão de contrato dos navios Mistral
    Hollande nega acordo para rescindir contrato de navios Mistral
    França vai pagar 1,16 bilhão de euros à Rússia por quebra de contrato sobre Mistral
    Rússia e França chegam a acordo sobre quebra de contrato de navios Mistral
    Futuro dos navios Mistral continua sombrio
    Rússia exige da França devolução dos sistemas de comunicação dos navios Mistral
    Marinha do Brasil desmente revista americana e nega interesse pelos navios Mistral
    Mistral: França pode vender ao Brasil navios construídos para a Rússia?
    Tags:
    Marinha, Mistral, François Hollande, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik