07:02 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Evo Morales

    Indígenas lutarão por referendo para legitimar reeleição de Evo Morales

    © AP Photo/ Arnulfo Franco
    Mundo
    URL curta
    148585

    Organizações indígenas e camponesas da Bolívia estão apoiando a reeleição do atual presidente Evo Morales, que está em seu segundo mandato no país. Em entrevista à Sputnik, o historiador brasileiro Luiz Antonio Andrade desmistifica as visões da mídia tradicional sobre o líder boliviano.

    Várias organizações indígenas e camponesas da Bolívia solicitarão um referendo para ajustar a Constituição e reeleger em 2020 o atual presidente Evo Morales, segundo informou a rede Telesur. 

    "Vamos lançar de maneira orgânica o correspondente referendo, para que a população defina a reforma constitucional", disse Hilarion Mamani, líder do “Conselho Nacional de Markas e Ayllus Del Qullasuyo” (Conamaq), citado pelo jornal La Razon. 

    No domingo (2), a instituição que congrega comunidades indígenas da região andina se reuniu em Parotani, no departamento de Cochabamba, para comemorar o aniversário da Revolução Agrária e para demonstrar apoio ao presidente Morales, que no mesmo dia foi eleito Personalidade Mundial de 2014 pela rede de televisão árabe Al Mayadeen.  

    "Bendita seja a terra que nos deu Evo Morales. Evo Morales já não é líder apenas da Bolívia, Evo Morales tornou-se um líder universal", disse o presidente do canal, Ghassan Ben Jeddou, destacando a “simplicidade”, a “coragem”, a “franqueza” e a “credibilidade” do primeiro chefe de Estado de origem indígena do país latino-americano.

    Segundo Mamani, as organizações indígenas, os movimentos sociais e o povo devem fortalecer o processo de mudança que está sendo implementado pelo governo boliviano, apoiando todos os anos de luta por inclusão social pelos quais tem passado o país. 

    Em entrevista exclusiva à Sputnik, o historiador brasileiro Luiz Antonio Andrade explicou que “as organizações populares na Bolívia mantêm o protagonismo político desde as insurreições do início do século XXI que varreram do horizonte histórico do país andino o projeto neoliberal. Alterando posições de adesão e crítica ao governo, segundo as conjunturas políticas, muitas delas seguem em apoio ao processo de transformação social na defesa de um referendo que altere a Constituição do país”. 

    “A defesa da reeleição de Evo Morales do Movimento Al Socialismo (MAS) não é uma adesão passional ao líder ‘personalista’ que encarna o risco à democracia boliviana ao tentar se perpetuar no poder — segundo visão caricatural da imprensa local”, afirmou.

    Especialista em movimentos sociais da Bolívia, Andrade entende a questão sob outro ponto de vista:

    “A percepção destes movimentos é que o apoio a Evo é o apoio ao processo que transcende ao próprio presidente índio. É o apoio ao projeto da democratização de fato do país, de um desenvolvimento etnicamente diferenciado, da soberania política frente ao imperialismo estadunidense, da valorização das formas de organização social dos povos originários”, concluiu o professor.

    Mais:

    Evo Morales vai à Bélgica agradecer apoio à demanda marítima contra o Chile
    Evo Morales: Bolívia está pronta para resistir aos EUA
    Ex-presidente boliviano quer levar aos BRICS detalhes do litígio territorial com Chile
    Cúpula do Mercosul reforçou governos progressistas do bloco contra ameaças externas
    Tags:
    neoliberalismo, democratização, inclusão social, índios, movimento indígena, Personalidade do Ano, constituição, referendo, imperialismo, Movimento Al Socialismo (MAS), Al Mayadeen, Conselho Nacional de Markas e Ayllus Del Qullasuyo (Conamaq), TeleSUR, Luiz Antonio Andrade, Ghassan Ben Jeddou, Hilarion Mamani, Evo Morales, Cochabamba, América do Sul, Bolívia, América Latina, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik