18:57 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Moeda de rublo em frente ao Kremlin, em Moscou

    Rússia mostra força e corta juros pela quinta vez consecutiva

    © AFP 2017/ Alexander Nemenov
    Mundo
    URL curta
    3662130

    A Rússia deu nesta sexta-feira (31) mais uma prova de sua recuperação econômica. O Banco Central do país baixou sua taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, chegando a 11%. O corte no índice foi o quinto consecutivo promovido pela instituição.

    O percentual está muito próximo ao de dezembro de 2014, quando emergencialmente o BC russo necessitou elevar a taxa básica de juros de 10,5% para 17%. Naquela oportunidade, a instituição aumentou o índice por conta da queda significativa dos preços do petróleo e das sanções internacionais à Rússia.

    No entanto, como os preços do petróleo se estabeleceram em um patamar um pouco superior ao de então e como as restrições não surtiram os efeitos desejados pelos países que as implantaram, o Banco Central vem gradativamente diminuindo as taxas de juros.

    O BC russo também promoveu nesta sexta-feira cortes nas taxas de depósito e recompra, estabelecendo-as, respectivamente, em 10% e 12%. Em um comunicado, a instituição previu que inflação anual no país deverá cair para menos de 7% em julho em julho de 2016 e que atingirá a meta de 4% em 2017.

    O economista Gilberto Braga, professor do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais, explica que a taxa básica de juros é a taxa de partida da economia de um país. Quando esta é aumentada, provoca-se uma reação em cadeia com todas as taxas da economia.

    Ele ainda conta que o mesmo acontece quando há o inverso. Desta forma, segundo o professor, os empréstimos para os consumidores ficam mais caros, assim como a rolagem da dívida do cartão de crédito, por exemplo.

    “Isoladamente, o ideal é sempre ter taxas básicas de juros baixas, porque elas desestimulam a especulação financeira, a ciranda de aplicações em busca de maiores rentabilidades e estimulam o investimento direto, que gera empregos, negócios e arrecadação tributária”, detalha Gilberto Braga.

    Vladímir Putin, presidente de Rusia en la conferencia de prensa
    © Sputnik/ Host Photo Agency / Alexei Danichev
    O professor, porém, ressalta que a taxa básica de juros vem em um contexto macroeconômico, sendo necessário analisar outros indicadores para saber se esta baixa está em harmonia com todos os outros elementos da economia.

    Gilberto Braga ressalta, ainda, que Índia e China têm taxas básicas de juros baixas e que o movimento, agora, vem sendo feito pela Rússia, sendo o Brasil, entre os países emergentes, o que faz o caminho inverso. “Aparentemente, a situação russa permite esta redução.”

    O Brasil aumentou esta semana a sua taxa básica de juros para 14,25%, o maior nível em nove anos. Foi a sétima alta seguida.

    Tags:
    taxa básica de juros, preço, barril, valor, inflação, juros, corte, queda, petróleo, economia, sanções, Banco Central, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik