02:42 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    A Terra vista a partir da Lua

    Relatório da ONU revela crescimento excessivo da população da Terra até 2100

    © NASA.
    Mundo
    URL curta
    142901

    Um relatório demográfico da ONU revelou que, segundo previsões de especialistas, até o fim do século a população da Terra deverá chegar aos 11,2 bilhões de habitantes.

    O documento, intitulado "Perspectivas da População Mundial", prevê que até 2030 a população do planeta chegue aos 8,5 bilhões de pessoas, e que em 2050 o indicador alcance a cifra de 9,7 bilhões.

    A atual população da Terra é estimada em cerca de 7,3 bilhões de habitantes.

    Segundo cálculos de especialistas, a Índia deverá ultrapassar a China em número de habitantes até 2022, e em 2050 a Nigéria se tornará o terceiro país mais povoado do mundo, ultrapassando os EUA.

    A África, segundo o documento, será responsável por mais que o dobro do crescimento da população mundial nos próximos 35 anos. Até 2050 a população das 28 nações africanos deverá crescer em mais de 100%, e até 2100 pelo 10 desses países viverão um crescimento demográfico de mais de cinco vezes.

    Enquanto isso, a previsão é que o Brasil chegue a 2100 com um população menor do que a tual – 200 milhões, contra os atuais 207 milhões. E a Rússia deverá passar pelo mesmo processo. Estima-se que até o fim do século a população russa encolha em 34 milhões pessoas, passando dos atuais 142 milhões para 108 milhões de habitantes.

    O relatório da ONU também destaca a tendência da humanidade ao envelhecimento cada vez mais tardio. Assim, em 2050 a quantidade de pessoas com mais de 60 anos de idade no mundo irá duplicar. Até lá, a parcela de idosos na população da Europa deverá ultrapassar os 34%.

    Mais:

    Católicos representam quase 18% da população mundial, segundo Vaticano
    Pentágono envia antraz vivo para EUA e Coreia do Sul “por engano”
    Morre a pessoa mais velha do mundo
    Tags:
    demografia, população mundial, ONU, Terra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik