13:44 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Homem afegão vai de cavalo

    Negociações de paz: China conseguiu fazer algo que ninguém tinha conseguido

    © AFP 2017/ SHAH MARAI
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    21441251

    A China conseguiu fazer o que as potências mundiais não tinham conseguido em décadas: sentou representantes oficiais de Cabul junto com representantes do Talibã em uma mesa de negociações.

    A reunião que começou nesta quinta-feira (30) é secreta: caso alguém divulgue alguma informação sobre as personalidades dos negociadores, as próprias negociações ficariam anuladas, informam fontes afegãs. A agenda do evento inclui as condições para uma trégua e as formas da presença militar estrangeira no Afeganistão.

    Há uma coisa que sim se conhece: todas as partes do conflito estão presentes nas negociações. E isso deve-se à ativa participação do Paquistão, que advogou pelo diálogo.

    O papel da China como parte neutra é também importante. As tentativas dos EUA de convocar negociações dedicadas à busca de uma solução do conflito no Afeganistão fracassavam principalmente devido ao fato de os EUA estarem envolvidos no próprio conflito. A China, pelo contrário, tem mais limite de confiança ao oferecer apoio ao diálogo, inclusive para ambas as partes, nota o diretor do Centro de Pesquisa dos EUA da Universidade Popular da China, Shi Inghong:

    “Aqui, a China pode desempenhar um papel especial, o papel de “ponte”, já que ela, durante um longo tempo, tem mantido relações tanto com o governo, como com o Talibã, fomentando o interesse à situação no Afeganistão. A China guardou umas relações igualmente boas tanto com a capital, como com outras regiões do país”.

    Para o especialista russo Vladimir Evseev, do Centro de Pesquisa Social e Política, a China tem muita possibilidade de acalmar a tensão no Afeganistão – ou, pelo menos, poderá “conservar” a situação no seu estado atual. A principal incógnita neste assunto é a reação da Índia e do Irã, diz Evseev:

    “Ambos estes jogadores têm seus interesses no Afeganistão. Se o diálogo tiver êxito, o envolvimento destes Estados é provavelmente iminente, já que é impossível estabilizar a situação no Afeganistão sem eles”.

    A China se apresenta como uma alternativa séria aos EUA na região. O contingente militar estadunidense começou neste ano a sua retirada formal do Afeganistão, após anos de bombardeios, golpes e confrontos que não prestaram resultados substanciais.

    Os soldados dos EUA e da OTAN permanecerão no país, porém terão uma “pegada mais ligeira”, segundo a expressão do secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, treinando a polícia afegã a combater os extremistas. Shi Inghong ainda disse que a participação da China não empurrará os EUA fora do país, porque os EUA não querem entrar em confronto aberto com esta potência.

    As negociações organizadas por Pequim terminam amanhã. Devido à condição de sigilo em torno a elas, ainda não há comentários oficiais. Portanto, nesta sexta-feira será possível conferir se a aproximação chinesa ser á aceitada como uma alternativa boa ao militarismo dos EUA.

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)

    Mais:

    Homens armados matam 21 pessoas durante casamento no Afeganistão
    Negociações de paz para Afeganistão podem ter lugar na China
    Atentado mata 19 pessoas em mercado no Afeganistão
    Afeganistão: EUA não respeitam promessas
    EUA gastam US$ 4 milhões por hora com a guerra no Afeganistão
    EUA sugerem que civis do Afeganistão combatam Talibã por conta própria
    Ataque suicida provoca 18 mortes perto de base militar dos EUA no Afeganistão
    Tags:
    negociações, Talibã, OTAN, Jens Stoltenberg, Paquistão, Afeganistão, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik