11:14 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Petróleo

    Rússia e OPEP esperam uma estabilização do mercado de petróleo até 2016

    © AP Photo/ Hasan Jamali
    Mundo
    URL curta
    0 0 31

    A Rússia e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) acreditam que até 2016 a situação do mercado de petróleo seja mais equilibrada e estável.

    Em uma declaração conjunta durante o diálogo energético “Rússia-OPEP”, as partes afirmaram que “apesar das incertezas que permanecem, há sinais que apontam para a possibilidade de que em 2016 haverá uma situação mais equilibrada no mercado de petróleo, e este vai se estabilizar”.

    Na mesma linha, o secretário-geral da OPEP, Abdala al-Badri, disse após a reunião que não espera que os preços do petróleo caiam ainda mais.

    "A demanda está crescendo e vai continuar a crescer em 2016, enquanto a produção cai", disse ele.

    Badri também rejeitou o impacto negativo da desaceleração da economia chinesa. 

    Já o ministro da Energia russo, Aleksandr Novak, também manifestando um otimismo, afirmou que espera um aumento da demanda para 1,2 ou 1,3 milhões de barris por dia ainda este ano. 

    “Estimamos que antes de 2020 a demanda do petróleo aumente entre 7% e 11% ao ano, e para 2040 este aumento alcançará outros 15% ou 20%”, disse o ministro. 

    Segundo Novak, o petróleo continuará sendo a principal fonte de energia no mundo, ainda que o aumento da demanda seja menor do que o crescimento da economia global.

    A próxima reunião Rússia-OPEP será realizada em Viena, na segunda metade do próximo ano. 

    Mais:

    Irã não está interessado em concorrer com a Rússia no mercado de petróleo
    Rússia e a Arábia Saudita não têm divergências sobre preços de petróleo
    Arábia Saudita pressionará Irã por produzir petróleo em excesso
    Sanções contra Rússia custaram a Noruega aumento do desemprego no setor do petróleo
    Gigantes do petróleo e gás da Venezuela e da Rússia firmam parceria
    Tags:
    mercado, preços, petróleo, OPEP, Alexander Novak, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik