08:24 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Thierry Mariani, deputado do partido Les Républicains que encabeçou a delegação francesa na Crimeia em julho de 2015

    Delegação de deputados franceses gostou da Crimeia e prepara nova viagem

    © AFP 2017/ KIRILL KUDRYAVTSE
    Mundo
    URL curta
    1597181

    O deputado do partido Os Republicanos (Les Républicains) não descarta nova viagem para a Crimeia.

    Thierry Mariani, líder da delegação de deputados franceses que visitou, na semana passada, a Crimeia, disse à rádio France Info que pensa fazer outra viagem à Rússia “muito em breve, em outubro”.

    “Veio uma dezena de parlamentares, mas eu posso afirmar a você que houve 4-5 pessoas que eu tive que rejeitar, e a gente fará provavelmente mais uma viagem muito em breve, em outubro”, declarou o deputado de Os Republicanos à emissora.

    Perguntado pela composição da sua delegação, ele afirmou que tinha representantes de vários partidos. Na futura nova visita, outros políticos do parlamento francês terão a oportunidade de conhecer o país.

    O ministro das Relações exteriores da França, Laurent Fabius, tem criticado a visita à península “anexada pela Rússia”, e até chegou a qualificá-la de “violação” do direito internacional. Porém, o deputado Thierry Mariani considera que tal visão é errada:

    “Em todo o caso, eu sei que há uma coisa que eu não violei com a minha viagem à Crimeia, e esta coisa é a História. A História afirma que a Crimeia sempre foi russa. A História afirma que a população [da Crimeia] sempre se sentiu russa”.

    A delegação liderada por Mariani chegou à Crimeia na quarta-feira passada. A delegação visitou as cidades de Simferopol, Yalta e Sevastopol. Terminaram a sua visita no sábado, em Moscou.

    Mais:

    Opinião: EUA querem guerra na Crimeia
    Políticos franceses querem mudar a imagem da Crimeia na França
    União Europeia usa Crimeia para fazer Rússia brigar com Turquia
    Tags:
    visita oficial, Thierry Mariani, Crimeia, Rússia, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik