06:12 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    John Kerry

    Kerry: Irã poderá construir armas nucleares se Congresso vetar acordo

    © flickr.com/ Center for American Progress Action Fund
    Mundo
    URL curta
    4895232

    O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, alertou o Congresso dos EUA nesta quinta-feira para as graves consequências de um possível veto dos parlamentares ao acordo firmado entre o P5+1 e o Irã, sem o qual, segundo ele, a República Islâmica terá o caminho livre para desenvolver suas armas nucleares.

    "Se o Congresso dos EUA rejeitar unilateralmente aquilo que foi acordado em Viena, o resultado será o afastamento dos Estados Unidos da América de cada restrição que nós alcançamos", disse Kerry, acrescentando que isso dará o "sinal verde" para Teerã "dobrar o seu enriquecimento de urânio" e "instalar centrífugas mais eficientes", entre outras coisas. Tudo isso "sem as inspeções e as medidas de transparência" determinadas pelo acordo.

    No último dia 14, os Estados Unidos, junto com Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha, chegaram a um acordo com o Irã para garantir a natureza pacífica do seu programa nuclear, em troca do levantamento das sanções impostas ao país. No entanto, nos EUA, o documento precisará passar por uma análise do Congresso antes que o presidente Barack Obama tome qualquer medida para retirar as sanções atualmente em vigor.

    Segundo Kerry, caso o texto do acordo não seja aprovado pelos parlamentares, Washington estará desperdiçando a sua melhor oportunidade para resolver a questão iraniana de maneira pacífica.

    Mais:

    Empresas europeias investirão US$ 2 bilhões no Irã
    Casa Branca cria ferramentas de mídia para defender acordo nuclear com Irã
    Acordo permite ao Irã receber sistemas antiaéreos mais modernos que os S-300
    Chanceler do Irã defende acordo nuclear com o sexteto após críticas de radicais
    Tags:
    programa nuclear iraniano, P5+1, Congresso dos EUA, Barack Obama, John Kerry, América, Washington, Teerã, Viena, Alemanha, Reino Unido, Irã, França, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik