06:06 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Grécia se esforça para chegar a um acordo com os seus credores a poucas horas do vencimento da dívida junto ao FMI

    Parlamento grego aprova segundo pacote de medidas exigidas por credores internacionais

    © REUTERS/ Dado Ruvic
    Mundo
    URL curta
    313404

    O Parlamento da Grécia aprovou na noite de quarta-feira (22), com ampla maioria, o segundo pacote de reformas necessário para iniciar as negociações sobre um novo programa de resgate econômico, no valor de 86 bilhões de euros.

    O projeto de lei, de mais de 900 páginas, aborda pontos como reforma do Código Civil, para acelerar o sistema judiciário, e a adoção de um regulamento sobre o saneamento dos bancos.

    Embora menos controverso que o primeiro, o pacote de medidas enfrenta oposição de um grupo de dissidentes da base governista, que não aceita os termos do acordo firmado com os credores internacionais.

    A proposta com as novas medidas recebeu votos favoráveis de 230 dos 300 deputados da casa, enquanto apenas 63 votaram contra e 5 parlamentares da coalizão no poder Syriza se abstiveram. Informou-se ainda que o ex-ministro das Finanças, Yanis Varufakis, que havia rejeitado a aprovação do primeiro pacote, desta vez se posicionou a favor do documento.

    Enquanto a votação avançava, milhares de pessoas protestaram durante toda a noite, do lado de fora do Parlamento, contra as medidas de austeridade. As manifestações foram organizadas por sindicatos de trabalhadores e contaram também com a adesão de outros grupos.

    Com o segundo pacote aprovado, a expectativa do governo grego é que as negociações com os credores internacionais pela liberação da ajuda financeira de 86 bilhões de euros à Grécia sejam concluídas no fim de agosto.

    Mais:

    Opinião: Crise na Grécia mostra que o sonho da Europa acabou
    Suécia, Finlândia e Dinamarca aprovam empréstimo de emergência da UE à Grécia
    Tags:
    austeridade, ajuda financeira, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik