08:18 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Cidade de Sevastopol na Crimeia

    Delegação francesa busca diálogo na Crimeia, apesar de Hollande

    © Sputnik/ Vasily Batanov
    Mundo
    URL curta
    141269401

    Nesta quarta-feira, um grupo de deputados franceses começa uma turnê pela Crimeia, pela primeira vez depois do referendo de março de 2014. A visita durará até domingo e servirá, segundo os organizadores, para o diálogo franco-russo, mesmo se o governo francês não o deseja.

    Em uma entrevista à Sputnik, o deputado Thierry Mariani, vice-presidente do Grupo de Amizade França-Rússia da Assembleia Nacional, reiterou que a Rússia tem pleno direito à península da Crimeia:

    “Não obstante as palavras de ordem políticas, não obstante as declarações, ninguém combate a história. E as realidades históricas são mais fortes do que as posturas políticas do momento. A Crimeia é russa, historicamente, culturalmente, demograficamente, mesmo se cada um sabe que ela já foi ucraniana” durante um período.

    Mariani encabeça uma delegação composta de uma dezena de parlamentares franceses, que abrangem um leque de filiação política. Para ele, é a primeira visita à península desde 2002, quando a visitou, ainda ucraniana, para participar da restauração do cemitério militar francês.

    Desta vez, a delegação irá visitar as cidades de Simferopol, Yalta e Sevastopol, esta última, sede da Frota do Mar Negro da Rússia.

    Mariani diz que a visita não foi vista com bons olhos pelo governo francês. Mas nem por isso está preocupado:

    “As autoridades francesas têm sua posição oficial. Já a nossa posição reflete o ponto de vista de vários deputados e senadores franceses e também o de uma parte considerável da opinião pública”.

    Ele explicou dizendo que a conjuntura do momento não pode substituir a verdade histórica:

    “Você pode alegar qualquer texto, mas a história, a tradição, a cultura é mais forte do que qualquer texto, e apesar de tudo, todos compreendiam a necessidade do fato de que a Crimeia é russa, e que a comunidade internacional terá que reconhecer este fato”.

    Tags:
    sanções, Thierry Mariani, Crimeia, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik